Tipos de Dinossauros: dos Carnívoros aos Herbívoros

Tipos de dinossauros

Ilustração: Lida Xing

Graças à forte presença dos dinossauros na nossa cultura, desde livros a filmes, conhecemos de cor alguns tipos de dinossauros como os grandes predadores, os pescoços compridos ou os couraçados.

Os dinossauros dividiam-se em duas grandes ordens: Saurischia e Ornithischia. Dentro destas existiram várias sub-ordens e famílias. Neste artigo, vamos abordar os sete principais tipos (ou grupos) de dinossauros, facilmente identificáveis por serem bastante diferentes entre si.

Terópodes

Tiranossauro no Jurassic Park

Tiranossauro no filme Jurassic Park

A grande atração do «Jurassic Park» é o tiranossauro não é verdade? Todo o mundo gosta dos grandes predadores e os grandes predadores entre os dinossauros estavam neste grupo.

Trata-se de um grupo de dinossauros bípedes (andavam em duas patas), sendo que a grande maioria eram dinossauros carnívoros, embora existissem alguns terópodes herbívoros e insetívoros. As aves, únicos parentes dos dinossauros a sobreviver à extinção do final do Cretáceo, estão neste grupo.

Os primeiros terópodes a surgir foram os carnívoros herrerasauro (3-4 metros), eodromaeus (1,2 metros) e o omnívoro eoraptor (1 metro), todos com uma data estimada de 231 milhões de anos, na mesma altura que é aceite como sendo a origem dos primeiros dinossauros na Terra.

Pouco depois, geologicamente falando, apareceram os coelophysis (1-6 metros), dinossauros carnívoros comuns no final do período Triássico e início do período Jurássico.

Crânio de alossauro

Crânio de alossauro
Fotografia: Wikimedia Commons

No Jurássico aparecem terópodes mais evoluídos.

O mais famoso é o alossauro (8-12 metros), um dos primeiros dinossauros a ser descoberto no registo fóssil e descrito cientificamente em 1877 pelo paleontólogo Othniel Charles Marsh.

Ainda assim, o dinossauro terópode que fica verdadeiramente na história é o megalossauro (6-9 metros), o primeiro dinossauro de sempre a ser nomeado, em 1824. Os primeiros fósseis de megalossauro foram descobertos no século XVII, mas erradamente atribuídos a um elefante e depois a um monstro bíblico.

O ceratossauro (5-6 metros) é um carnívoro que também aparece no período Jurássico e as algumas das suas ossadas foram encontradas em Portugal, na Lourinhã.

Therizinossauro

Therizinossauro

Por fim, no período Cretáceo, surgem dois dos carnívoros mais famosos e imortalizados pelo cinema. O gigante tiranossauro (12-13 metros) e o velocista velociraptor (2 metros).

É também neste período que surge o therizinossauro (10 metros), um raro exemplo de dinossauro herbívoro no grupo dos terópodes e com características bizarras, tais como garras enormes nas patas dianteiras.

Durante muitos anos o tiranossauro foi tido como o maior e mais temível predador do tempo dos dinossauros, mas esse estatuto tem vindo a ser colocado em causa.

Em relação ao tamanho, já se sabe que existiram pelo menos dois terópodes maiores (o espinossauro com 18 metros e o giganotossauro com 14 metros).

Depois, e mais relevante, a fisionomia do tiranossauro não abona muito a favor das suas eventuais qualidades de predador feroz: as patas dianteiras eram de tal forma pequenas que nem alcançavam a boca. O olfato, bastante apurado, seria mais útil a detectar cadáveres ou animais feridos.

Crê-se, assim, que o tiranossauro seria mais um necrófago do que um temível predador que caçasse animais vivos.

Saurópodes

Diplodocus

Diplodocus
Ilustração: Walter Myers

O maior grupo de animais que alguma vez pisou terra. São facilmente identificáveis pelo pescoço bastante comprido e uma cabeça proporcionalmente pequena.

Todos os saurópodes eram quadrúpedes (andavam em quatro patas) e herbívoros.

Um dos primeiros e talvez o mais pequeno saurópode de sempre é o saturnalia (1,5 metros), descoberto no Rio Grande do Sul, no Brasil. Terá vivido há cerca de 225 milhões de anos. Ainda no Triássico surge o plateossauro (5-10 metros), há cerca de 214 milhões de anos. Foi também um dos primeiros dinossauros descobertos no registo fóssil, em 1834.

Argentinossauro

Esqueleto de Argentinossauro
Fotografia: Wikimedia Commons

Crescendo continuamente pelos períodos Jurássico e Cretáceo, habitaram a Terra saurópodes enormes como o superssauro (33-34 metros), o argentinossauro (30-39 metros) ou o diplodocus (33-45 metros).

Suspeita-se que tenha existido um saurópode ainda maior, o amphicoelias (58 metros), mas os únicos fósseis descobertos na década de 1870 foram perdidos, restando apenas descrições e desenhos dos mesmos. Análises recentes sugerem que não seria biologicamente plausível um animal terrestre suportar tais dimensões, pelo que devem existir erros de interpretação na descrição original feita em 1878.

Ceratopsídeos

Torossauro

Torossauro
Imagem: Walking with Dinosaurs

Estes dinossauros peculiares viveram em abundância no período Cretáceo e são caracterizados pelas placas ósseas situadas atrás da cabeça, pelos chifres no crânio e pelo bico na mandíbula. Eram todos herbívoros.

O yinlong (1,2 metros) é o ceratopsídeo mais velho e mais primitivo que se conhece, tendo habitado perto do final do período Jurássico, há cerca de 158 milhões de anos. Mais tarde, no período Cretáceo, os ceratopsídeos evoluíram para animais maiores e com uma proteção contra predadores também mais desenvolvida.

Esqueleto de Triceratops

Esqueleto de Triceratops
Fotografia: Wikimedia Commons

O mais famoso de todos é o triceratops (8-9 metros), surgido há cerca de 68 milhões de anos e um dos dinossauros que habitavam o planeta por altura da extinção dos dinossauros, há cerca de 66 milhões de anos. Outro dinossauro deste grupo que habitou no Cretáceo foi o centrossauro (6 metros).

Ornitópodes

Iguanodon

Iguanodon
Imagem: Walking with Dinosaurs

Os ornitópodes eram dinossauros herbívoros, que surgiram discretamente durante o período Jurássico, como animais pequenos e velozes, até dominarem o final do período Cretáceo.

No evento da extinção dos dinossauros, os ornitópodes eram um dos grupos mais bem sucedidos de dinossauros herbívoros, com um aparelho mastigatório tão evoluído e sofisticado que seria capaz de rivalizar com uma vaca moderna.

O ornitópode mais conhecido é o hadrossauro (8-10 metros), sendo o maior o shantungossauro (15 metros). Uma espécie mais antiga de dinossauro ornitópode surgida no início do período Cretácio, o iguanodon (10-13 metros), foi o segundo dinossauro a ser formalmente nomeado, em 1825.

Estegossauros

Estegossauro

Estegossauro
Imagem: Walking with Dinosaurs

Este grupo de animais foi baptizado com o nome do seu exemplar mais famoso, o estegossauro (9 metros).

Eram dinossauros couraçados, herbívoros e claramente adaptados para a defesa. Possuíam placas ósseas e espinhos afiados que não eram encontrados em mais nenhum animal, o que lhes permitia proteger-se dos predadores, uma vez que eram animais lentos e uma fuga veloz estava fora de hipótese.

Os estegossauros surgiram no período Jurássico, onde eram mais abundantes, tendo sido extintos há cerca de 110 milhões de anos, muito antes da grande extinção dos dinossauros no final do Cretáceo.

No seu auge, estogossauros como o dacentrurus (7-8 metros) e o miragaia (5,5-6,5 metros) eram abundantes na Europa. O miragaia tem a particularidade de ter sido descoberto em Portugal e descrito pelo paleontólogo Octávio Mateus em 2009. O pescoço do miragaia era particularmente longo para um estegossauro, com pelo menos 17 vértebras (o estegossauro tinha 12 ou 13).

Pensa-se que o wuerhossauro (7 metros) tenha sido a última espécie de estegossauro a habitar o planeta, antes do grupo se extinguir. As causas da extinção dos estegossauros não são claras.

Anquilossauros

Anquilossauro

Anquilossauro

Os anquilossauros eram dinossauros herbívoros, quadrúpedes e altamente couraçados. Surgiram em meados do período Jurássico e viveram até ao final do período Cretáceo, tendo sido extintos juntamente com os outros dinossauros.

Possantes e com patas curtas, estima-se que um anquilossauro não conseguira andar a mais de 10 quilómetros por hora, pelo que a couraça especializada em defesa era essencial para escapar a um predador.

Possivelmente o primeiro anquilossauro a surgir foi o scelidossauro (4 metros), há cerca de 196 milhões de anos. No entanto, as características primitivas não permitem definir com exatidão se este dinossauro pertencia a este grupo ou ao dos estegossauros.

O mais conhecido é o dinossauro com o mesmo nome, anquilossauro (9 metros), que viveu nos últimos 2 milhões de anos dos dinossauros na Terra. Outros anquilossauros bem conhecidos são o edmontonia (6-7 metros), o euoplocephalus (6 metros) e o polacanthus (5 metros).

Paquicefalossauros

Paquicefalossauro

Paquicefalossauro
Ilustração: Vlad Konstantinov

Os Paquicefalossauros eram dinossauros herbívoros / omnívoros, bípedes e com a particular característica de possuírem uma espécie de abóbada alta no crânio, provavelmente usada para lutas entre machos pela disputa de fêmeas ou território.

Viveram no período Cretáceo, embora se suspeite que os primeiros paquicefalossauros tenham vivido ainda no período Jurássico, devido a um dente encontrado e que foi datado de há cerca de 162 milhões de anos. O possível dinossauro foi nomeado ferganocephale.

Os paquicefalossauros mais conhecidos são o próprio paquicefalossauro (4,5 metros), o stegoceras (2 metros), o stygimoloch (3 metros) e o dracorex (3 metros).

É debatido na comunidade científica se o dracorex é uma espécie distinta ou um paquicefalossauro / stygimoloch juvenil, ou fêmea, tendo em conta que as diferenças são pequenas e o registo fóssil indica que estes animais viveram no mesmo espaço ao mesmo tempo.

Este artigo foi originalmente publicado na Edição nº 10 da Revista Mundo dos Animais, em Março de 2009, com o título “Mundo dos Dinossauros – Grupos de dinossauros”.

Tópicos: Dinossauros, Animais Pré-Históricos, Artigos em Destaque

Leia mais sobre dinossauros »