Sites de Associações: Exemplos e Melhores Práticas

Uma associação, em especial sem fins lucrativos, tem de trabalhar a sua imagem, identidade e relações sociais. A necessidade de ajuda externa exige que marque presença e que o seu trabalho seja (re)conhecido e credível. A Internet é um meio através de qual se pode chegar a um público numeroso e activo, pelo que recentemente as associações têm apostado nesse sentido para reforçarem a sua muito difícil missão em prol dos animais.

Adoptar um Animal

Em 2009, fizemos uma entrevista a 23 associações portuguesas, onde 22 reconheceram a grande importância de ter um site ou uma página nas redes sociais, correspondendo estas 22 à totalidade das instituições entrevistadas que albergam cães, gatos ou promovem a esterilização, precisamente as áreas onde é indispensável o apoio voluntário e financeiro.

No entanto, pudemos verificar que várias associações não estão a aproveitar as suas páginas e a sua presença na Internet da melhor maneira. Com pequenas alterações estratégicas, podem tornar os seus sites como um suporte muito mais importante do dia a dia da associação e dos animais. São essas sugestões que queremos partilhar neste artigo, para que, em conjunto, sejamos cada vez mais fortes na defesa dos nossos amigos.

Duas notas prévias:

  • Não está em causa o site ser mais bonito ou mais feio. Isso é um conceito relativo, uma vez que o bonito para uns pode ser feio para outros e vice versa. O que tem de ser é prático e acessível!
  • Não são necessários quaisquer conhecimentos técnicos avançados, para fazer as alterações propostas neste artigo. Sabemos que muitas associações são geridas por pessoas com pouca experiência de Internet. Estas alterações são relativamente simples e rápidas de realizar.

Vamos então ver quais são as principais áreas de uma boa página na Internet:

Corpo do Site

  1. Cabeçalho: logótipo, introdução sucinta, menu horizontal
  2. Corpo: notícias, artigos, animais para adopção
  3. Barra lateral: contactos, informações, donativos, ficha de sócio
  4. Rodapé: ligações para as páginas mais importantes

Uma das principais dificuldades com que nos deparamos, ao analisar as páginas de cerca de 60 associações portuguesas, foi no acesso à informação mais importante:

  • Em que consiste;
  • Quem faz parte;
  • Contactos (email e telefones);
  • Informação sobre donativos;
  • Receber as notícias da associação.

O típico utilizador da Internet não quer (com toda a razão), ter de ver o site de alto abaixo à procura das informações básicas de uma associação. Se for forçado a isso, é mais provável desistir e fechar a janela do que ir efectivamente procurar.

Estas informações devem ser a 1ª coisa que o visitante encontra ao entrar no site da associação. Deve ficar a saber, em poucos segundos, quem, como, quando e porquê. Visitamos algumas páginas onde, por exemplo, os contactos da associação estavam no meio, no fim, ou mesmo não existiam.

Para compreender o comportamento das pessoas na Internet, utiliza o teu próprio exemplo ou de amigos: quando fazes uma pesquisa no Google, dás grande atenção aos resultados da 1ª página, mas só se não encontrares nada é que visitas a 2ª. A percentagem de pessoas que chega a ir à 3ª página é bastante diminuta. Se as informações não estão ao alcance imediato dos olhos, é como se não existissem.

Está na altura de melhorarmos cada uma das 4 áreas do site:

Cabeçalho

É uma das partes mais importantes de todo o site, pois é aquilo que o visitante vê primeiro. Por esse motivo, convém que ajude a identificar de imediato quem é a associação e o que faz, bem como apresentar uma navegação simples.

Nome / Logótipo
Ou o logótipo da associação, ou o nome da mesma por extenso, devem estar presentes no cabeçalho. É o que identifica a quem pertence a página.

Breve descrição
Perto do nome/logótipo, geralmente por baixo do mesmo, é boa prática colocar uma descrição muito breve da associação. Uma ou duas linhas, não mais, para que o visitante perceba logo do que se trata.

Menu horizontal
Não é “obrigatório” que o site tenha um menu de navegação horizontal (pode ser um vertical na coluna lateral), mas é algo que pode facilitar a navegação e esteticamente costuma funcionar bem. Evita os excessos no menu, 30 ligações são provavelmente um exagero e podem ser resumidas a 10 ou menos. Foca-te apenas no que é importante, pois o excesso pode levar à distracção.

Exemplos de Cabeçalhos

Associação Animais de Rua

A Associação Animais de Rua explica em poucas palavras o que é e o que faz. Um pouco mais abaixo, segue uma descrição mais detalhada (e mesmo assim não longa nem “chata”) juntamente com uma linha onde expõe o número de animais já esterilizados por eles. Do ponto de vista da simplicidade e objectividade, é um exemplo a seguir.

Animais de Águeda

A Animais de Águeda tem também um cabeçalho simples e com o essencial. O nome já descreve do que se trata a Associação e por baixo apresenta um menu horizontal, de estilo simples, com as ligações mais importantes do site.

Animarco

A Animarco tem um site com um cabeçalho apelativo, aproveitando o espaço do logótipo para destacar a campanha de doações via chamada telefónica que têm a decorrer. Sendo um local onde as pessoas olham bastante, é um óptimo sítio para destacar algo. Por baixo, um menu pequeno mostra as secções mais importantes do site.

Corpo

A maior área de todo o site, onde devem estar expostos os conteúdos principais. O formato Blog (entradas organizadas da mais recente para a mais antiga) são possivelmente a melhor opção para as Associações manterem os seus “seguidores” actualizados e divulgarem também os animais para adopção (se for o caso).

Focar no essencial
Não utilizes o corpo do site para colocar informações dispersas, que têm lugar noutro lado (como a barra lateral).

Organizar por temas
Utiliza as categorias e as etiquetas (tags) para organizar todos os artigos, anúncios e notícias. Assim, se um visitante clicar na categoria adopções, só vê as entradas de adopções, e se clicar em cães, só vê os cães para adopção, que é o que estará nesse caso à procura.

Evitar o excesso
Alguns sites de associações demoram mais a carregar e são bastante extensos, pois contém um elevado número de entradas e, no caso dos animais para adopção, têm as fotos todas na página inicial. É boa prática colocar apenas 1 ou 2 fotos para cada caso na página inicial, tendo depois uma ligação “Ler mais” para as restantes.

Exemplos de Corpo

A Cerca

A Cerca tem uma apresentação resumida e interactiva para cada entrada no corpo do site que funciona muito bem. Data, apenas uma imagem (e não muito grande), seguido da informação relevante (quem apadrinhou) e uma barra de opções que permite divulgar rapidamente pelas redes sociais mais utilizadas. A rever apenas a tradução na data e na categoria.

APCA

Num registo bem elaborado, a APCA aproveita de forma excelente o espaço para mostrar diversos animais, com ligações para mais informações e fotos de cada um.

ASAAST

A ASAAST faz uma apresentação inteligente dos animais para adopções, pois aposta na simplicidade e no essencial: uma foto e um breve resumo.

Animais da Quinta

Colocar duas fotos, lado a lado, ajuda a poupar espaço e a concentrar a informação, tal como faz neste exemplo a Animais da Quinta.

Patas Felizes

A colocação de vídeos é um bom método para mostrar melhor os animais. Actualmente qualquer máquina fotográfica permite filmar e o Youtube é gratuito. A Patas Felizes é uma das Associações que já fez uso dos vídeos para divulgar o seu trabalho.

Louzanimales

Ser criativo e ter, aqui ou ali, um toque de humor, ajuda a criar um bom ambiente e relação com o visitante, tal como faz por exemplo a Louzanimales.

Barra Lateral

A Barra Lateral do site da Associação tanto pode ser fantástica como terrível e a diferença entre ambas está em meros pormenores:

Limpar o que não interessa
Existem blocos para “enfeitar” as barras laterais que não têm qualquer utilidade. Por exemplo, os relógios. As pessoas sabem as horas. Essa informação não trás nada de proveitoso, nem para a Associação nem para os seus animais, correcto? Remove tudo o que não for realmente útil, incluindo aquilo que gostas e achas que fica bem mas que na prática… não interessa.

Informar, informar, informar
A Barra Lateral é uma excelente posição para destacar os principais conteúdos informativos do site. Por exemplo, as páginas sobre a adopção responsável, sobre a importância da vacinação e da esterilização, os meios de voluntariado… ainda não tens estas páginas? Escreve-as agora mesmo.

Destacar e Interagir
Podes aproveitar a barra para colocar uma versão resumida do “Quem somos” ou outras informações pertinentes, mas sempre com o mínimo de palavras possível. Utiliza também para chamadas de atenção importantes (campanhas, urgências, destaques…) e interacção com os leitores (sondagens, concursos…).

Exemplos de barras laterais

Cadela Carlota e Companhia

Um pequeno bloco com os contactos da Associação é indispensável, e deve estar numa das primeiras (de preferência mesmo na primeira) posição da barra lateral. Deve ser algo que esteja visível assim que se entre na página, sem necessidade de a descer. Quando uma associação “esconde” os contactos de um primeiro olhar, está certamente a perder voluntários e parcerias. A Carlota & Cia colocou no seu site um bloco muito interessante: é simples, “limpo” e contem tudo aquilo que necessitamos saber para os contactar.

APCA

A APCA não é um caso isolado, mas faz parte da uma diminuta percentagem que utiliza o Paypal como sistema para poder receber doações através do seu site. Infelizmente ainda não vemos muito essa tendência em Portugal, mesmo sendo extremamente vulgar nas grandes organizações estrangeiras. O Paypal é um sistema gratuito que permite a transferência de dinheiro de forma instantânea: nesta caixa que a APCA reproduz no seu site, basta escrever o valor, clicar em “Donate”, introduzir o login da nossa conta ou o cartão de crédito e confirmar. Não é necessário mais nada e a APCA recebe o valor. Se uma pequena parte dos visitantes do site decidir doar 1€, não resolve todos os males do mundo, mas certamente alimenta muitos mais animais.

APAMG

Sendo a Internet um meio em clara evolução, as associações devem procurar aproveitar-se das novas tendências a seu favor. Por exemplo, as redes sociais (Twitter, Facebook, Youtube…). O Mundo dos Animais já recebeu, provenientes apenas da sua página no Facebook, mais de mil visitas num só dia. Não é preciso dizer mais nada. E a APAMG aproveita, muito bem, a barra lateral para se divulgar nessas redes.

Cantinho das Patinhas

É importante para uma associação, não só receber mais visitantes no site, como mantê-los informados e fazer com que voltem várias vezes, acompanhando assim os trabalhos da associação, ajudando os animais e divulgando as adopções. O Cantinho das Patinhas disponibiliza essa opção. Através de sistemas como o Feedburner (gratuito) a associação pode oferecer aos seus visitantes a possibilidade de receberem automaticamente as notícias no email.

Animais de Barcelos

A criatividade é sempre positiva e, através dela, o Projecto Animais de Barcelos informa todos os leitores, amigos e visitantes do número de animais através de si adoptados. É bonito, fica bem e cria um bom ambiente, além de ser relevante pois a prioridade da Associação, é efectivamente levar mais animais abandonados a encontrarem bons donos.

Rodapé

O rodapé do site é muitas vezes menosprezado, pois ocupa a última posição do site e algumas associações deixam-no inteiramente vazio. Na verdade, os visitantes na Internet procuram muitas vezes a informação precisamente no rodapé. Assim, a associação fica a ganhar se colocar, neste espaço, ligações para as páginas mais importantes, de formação e informação, bem como as sempre indispensáveis “Quem somos”, “Contactos”, “Como ajudar”, etc…

Exemplos de rodapés

Associação Patinhas

A Associação Patinhas faz um uso brilhante do seu rodapé, destacando 4 temas principais com as ligações para as páginas correspondentes. A selecção de temas é também muito boa e o visitante é incentivado a ler mais sobre cada assunto.

APCA

A APCA também faz um uso intuitivo do rodapé do site, destacando as áreas de voluntariado, apadrinhamento e associados. Ao utilizar imagens, chama a atenção ao leitor, levando-o a ler mais sobre o assunto em questão.

Animais de Rua

A Associação Animais de Rua utiliza um rodapé menos apelativo em termos visuais, mas com um conjunto superior de informações, com links para todas as páginas que merecem maior destaque dentro do site. Através desta área, qualquer visitante pode ficar a saber tudo o que necessita sobre a Associação, o seu trabalho e resultados da mesma.

AEZA

Num registo diferente, a AEZA também não ignora a grande importância que um rodapé pode ter. No caso do site deles, utilizam o rodapé para algumas aplicações que também podem caber na barra lateral, como a newsletter e a ligação ás redes sociais – o importante é estarem presentes. Mais abaixo, também inclui as ligações para as páginas principais do site.

9 detalhes que fazem a diferença

1. Uma boa página “Quem somos”
Investe algum tempo a criar uma página “Quem somos” impecável para a associação. Não é preciso ser um texto muito grande (para não afastar a vontade de o ler), mas as pessoas gostam de saber detalhes e curiosidades, como por exemplo, a história da associação, como tudo começou, o que mudou, o que é hoje, o que pretende vir a ser no futuro…

2. Promover o voluntariado
Existem muitas formas das pessoas poderem ajudar uma Associação e, com a necessidade actual dessas mesmas ajudas, é complicado depararmo-nos no nosso fórum com pessoas que têm vontade e tempo para ajudar, mas não encontram muita informação de como o fazer.

3. Promover a inscrição de sócios
As associações são constituídas por sócios e o aumento do mesmo é importante em diversos factores. No site da associação, não basta colar as fichas de sócio para as pessoas eventualmente preencherem. É preciso cativar, ou seja, colocar informação, enumerar as vantagens para o sócio (tentar com parcerias criar vantagens exclusivas para quem é sócio, como descontos em lojas), para a associação e consequentemente para os animais, bem como colocar as fichas em mais que um formato disponível, pois nem todas as pessoas têm os mesmos programas. Os formatos .doc (não .docx) e .pdf são os mais acessíveis.

4. Responder aos comentários
O site da Associação não deve parecer um robot. Recomendamos que as pessoas da associação respondam aos comentários feitos no site ou por email, pois é essa relação que une as pessoas em torno de um objectivo e proporciona uma colaboração futura mais forte.

5. Histórias de sucesso
As pessoas gostam de ler histórias de sucesso (animais em estado grave que tenham recuperado e hoje sejam felizes) bem como relatos de voluntariado. Porque não pedir a um voluntário que vá pela primeira vez à Associação, para escrever um pequeno texto no site a contar a sua experiência? Fica a ideia.

6. Evitar música de fundo
A esmagadora maioria dos utilizadores da Internet “foge” dos sites com música de fundo, pois se quiser ouvir alguma coisa, liga a sua própria playlist. Salvo raras excepções (abaixo de 0,1%), música nos sites tem um efeito repelente.

7. Evitar páginas de introdução
Não coloques páginas de introdução onde o visitante tem de clicar em algum “Entrar” para aceder ao site propriamente dito. Faz com que a primeira página do site seja a que tem toda a informação relevante.

8. Escrever correctamente
Embora esta dica seja de senso comum, é crucial para o profissionalismo da Associação que tudo no seu site esteja escrito em português correcto. Existem correctores (como no Firefox) que são uma excelente ajuda para detectar erros.

9. Apostar na simplicidade
Um site confuso não leva ninguém a lado nenhum. Torna o site limpo, com uma navegação fácil e a informação bem organizada, sem que fique muito extenso, lento a abrir ou tão confuso que leve os visitantes a perderem-se.

Utilidades para o site da Associação

Redes Sociais

A Internet está muito diferente do que era há uns anos atrás, sendo as redes sociais (Facebook, Twitter, entre outros) um dos grandes passos na evolução da Web. Em Portugal as Associações já fazem um uso muito bom, em particular do Facebook, mas outras há que ainda não “entraram na rede” e podem, assim, estar a perder um público muito valioso. De seguida deixamos um pequeno resumo sobre as 4 ferramentas que consideramos mais importantes para as Associações usarem e integrarem nos seus sites:

Twitter

  • O que é: Rede social
  • Como funciona: partilha de mensagens curtinhas (máx. 140 caracteres) com quem o segue
  • Vantagens: divulgação das novidades da associação para um grande público; captação de novas pessoas interessadas em ajudar
  • Link
  • Ver Exemplo

Facebook

  • O que é: Rede social
  • Como funciona: criação de página de fãs com informações sobre a associação
  • Vantagens: divulgação das novidades da associação para um grande público; captação de novas pessoas interessadas em ajudar
  • Link
  • Ver Exemplo

Youtube

  • O que é: Partilha de vídeos
  • Como funciona: carregamento e visualização de vídeos
  • Vantagens: promoção da imagem da associação e divulgação em vídeo dos animais para adopção.
  • Link
  • Ver Exemplo

Feedburner

  • O que é: Gestor de feeds (dados)
  • Como funciona: distribuição das notícias do site por quem o subscreveu
  • Vantagens: quem subscreve é automaticamente actualizado sempre que a associação publica uma notícia ou destaque
  • Link
  • Ver Exemplo

Gerar receitas com a página

Merchandising Animais de Rua

O reforço financeiro é absolutamente essencial para qualquer Associação, pois abrigar, alimentar e cuidar de tantos animais é uma tarefa quase impossível, sabendo que as ajudas do Estado não existem e os donativos são muito incertos. Por esse motivo, as Associações deviam também apostar nos seus sites como uma fonte de trazer novas receitas e assim terem um fundo de maneio um pouco mais confortável.

Leilões e Merchandising

Várias associações já apostam na venda de artigos com a própria marca (t-shirts, porta-chaves, lápis, canecas, peluches, etc), o que trás receitas em dinheiro e divulgação do nome da associação. Um site, pode potenciar estas vendas, aliás deves aproveitá-lo para isso mesmo. Os leilões são outro meio que se pode tornar rentável. Coloca livros, bijutaria e outros artigos que tenhas a mais ou sejam doados e faz um leilão dos mesmos. A AEZA, o Cantinho das Patinhas e a Animais de Rua são óptimos exemplos desta aposta.

Anúncios do Google

É muito comum visitar sites com anúncios do Google algures na página. Este tipo de publicidade é de fácil adesão e implementação no site, pagando maioritariamente por clique. Ou seja de um modo simples, quando um visitante clica num anúncio do Google exibido no site da associação, esta recebe um determinado valor (alguns cêntimos, em casos raros pode ser mais de 1€). O programa chama-se Google Adsense e pode ser um complemento financeiro importante, sem estragar o site nem perturbar os visitantes. O programa emite um pagamento para a conta bancária indicada, sempre que o valor atingir os 70€.

Toma nota, no entanto, que apesar de ser tentador pedir a familiares e amigos para clicar nos anúncios de forma viciada, para ganhar mais, isso vai claramente contra as regras e resulta numa suspensão do serviço, sem direito a pagamento do que foi ganho até então.

Publicidade Directa

Podes aproveitar vários espaços do site para colocar um anúncio gráfico (chamado de banner) por parte de um anunciante e cobrar por isso, seja em termos monetários ou materiais. Por exemplo, uma loja de animais pode ter interesse em fazer publicidade no site da associação, oferecendo em troca uma determinada quantidade de ração para os animais, que a associação considere justa e vantajosa. Não peças, porém, valores demasiado altos, em especial se o site não tiver muitas visitas únicas diárias. Procura negociar um valor adequado para ambas as partes e tendo também em conta o tamanho do anúncio e a posição do mesmo. Rejeita anúncios intrusivos (como popups, janelas a piscar ou sonoras), pois isso afasta, com razão, os visitantes.

Donativos via Paypal

Tal como abordamos em cima, colocar à disposição dos visitantes do site a opção de fazerem um donativo por Paypal, é um meio simples e prático de a associação obter maior ajuda financeira. Caso não estejas familiarizado com este sistema, efectua o registo no Paypal (é gratuito) e de seguida cria um botão de donativos, seguindo as instruções dadas no pplware. Sempre que a conta chegar aos 10€ podes transferir o dinheiro para a conta bancária da associação, demorando essa transferência cerca de 3 dias úteis.

Teste final

Sites de Associações

Está na altura de descobrires se o site da associação passa no teste de fogo: ser útil. Convida alguns familiares e amigos a visitarem a página, de preferência à tua frente, e analisa os primeiros segundos dessa visita. Viram o que queriam? Procuraram alguma informação que não encontraram? Sentiram-se perdidos? Ou esclarecidos? Toma nota das dificuldades que possam ter tido, pois eles são o representativo do público-alvo do site. Se 3 ou 4 pessoas diferentes apontam o mesmo problema, é muito provável que as próximas 300 ou 400 sintam a mesma dificuldade.

Acima de ser bonito, colorido ou animado, o site de uma Associação tem de ser útil. Tem de transmitir informação e cativar as pessoas a ajudarem na causa. Tem de ser a ponte de ligação entre a instituição e o grande público!

Numa causa tão nobre e uma luta tão difícil como é a nossa, onde protegemos um animal aqui, e uma dezena deles são maltratados noutro lugar, não nos podemos dar ao luxo de não fazer tudo o que está ao nosso alcance. As novas tecnologias de informação têm de ser por nós aproveitadas ao máximo e este é o momento de apostar nelas. Existem actualmente serviços gratuitos e rápidos para criar um site (Sapo, Blogger, WordPress…), comunidades de ajuda (Mais Tráfego), milhares de guias e tutoriais no Google e, claro, nós próprios aqui no Mundo dos Animais, que estamos disponíveis para ajudar as associações em tudo aquilo que nos for possível.

Este artigo foi originalmente publicado na Revista Mundo dos Animais nº 17, em Outubro de 2010.

Tópicos: Ajuda Animal