Aprendizagem: Equitação I

Equitação

Fotografia orginal: Wikimedia Commons

Depois da primeira aulinha de volteio para experimentar, o aluno deve começar a aprender as regras básicas do maneio de um cavalo.

A sua alimentação, o tratamento, a limpeza, a abordagem do cavalo, aparelhar e desaparelhar, entre outros…

Passo 1: O contacto entre cavalo e aluno

O aluno deve aprender a aproximar-se do cavalo calmamente, tendo a certeza que o cavalo o está a ver e que não se vai assustar. Falar com o cavalo num tom de voz calmo, sem mostrar medo e sem hesitar. Deixar que o cavalo lhe cheire a mão para que no futuro possa reconhecê-lo.

Depois de exemplificar como se põe o cabeção no cavalo, o monitor deve deixar que seja o aluno a fazê-lo. O aluno deve aprender a segurar correctamente na corda e a conduzir o cavalo. Sempre do lado esquerdo do cavalo, o ombro do aluno ligeiramente à frente da espádua do cavalo, segurando a corda com a mão direita mais perto do cabeção e com a mão esquerda quase no fim da corda.

O monitor deve ensinar como se faz o nó correcto para prender o cavalo na argola. Nó esse que é feito de maneira a que fique firme e bem preso mas que seja fácil de desatar em caso de emergência.

Nota: O primeiro contacto entre cavalo e aluno nunca deve ocorrer sem vigilância de um monitor ou de uma pessoa responsável.

Passo 2: A limpeza

Limpeza dos cascos do cavalo

Depois de saber quais os vários objectos usados para a limpeza de um cavalo, o aluno pode começar a aprender como se limpa o animal.

O cavalo deve ser limpo de cima para baixo e da frente para trás.

A primeira coisa a limpar são os cascos. O aluno aprende a colocar-se ao lado dos membros do cavalo, a passar a sua mão desde a articulação do joelho até ao casco e fazer com que o cavalo levante o casco. Segurar na zona entre o boleto e a quartela, com a mão esquerda e passar o ferro de cascos com a mão direita. A limpeza do casco deve ser feita para fora, no sentido contrário ao vértice da ranilha. Tirar toda a sujidade com o ferro e usando uma escova.

Depois de o casco estar limpo pode ser untado com unto próprio para cascos. O unto deve ser espalhado uniformemente na palma e na muralha do casco. Este unto serve para manter a humidade constante do casco.

No inverno unta-se antes do banho para impedir que o casco ganhe demasiada humidade e venha a ter problemas derivados dessa humidade. No verão o casco é lavado, e quando ainda não está bem seco unta-se para conservar alguma da humidade e não deixar o casco secar demais, o que poderia fazer com que se partisse.

A seguir escova-se o cavalo. Usando uma almofaça e uma brussa vai-se limpando o pêlo do cavalo. A brussa passa três vezes no cavalo e depois limpa-se passanco com ela na almofaça. Se o pêlo do cavalo estiver muito sujo ou empastado (suor, lama…) pode utilizar-se a almofaça directamente no pêlo (usar almofaça de borracha, nunca a de ferro que poderia magoar o cavalo), passando-a em movimentos circulares.

Depois passa-se a brussa. A cardoa é mais utilizada para desembaraçar a rabada e a crina. Para facilitar pode-se usar um desembaraçador de cauda e crina próprio para cavalos.

Para terminar a limpeza pode-se usar uma esponja para limpar os olhos e outra para limpar o anús.

Passo 3: Aparelhar o cavalo

O aluno deve aprender que uma das regras básicas de segurança para o cavalo é usar protecções de membros. Estas protegem os ossos e os tendões de choques exteriores.

Caneleiras: A caneleira é posta um pouco acima do boleto para que possa deslizar e a parte larga da caneleira fique assente precisamente em cima do boleto. A tira que prende a caneleira nunca é apertada, mas sim ajustada. Esta tira aperta sempre para trás.

Ligaduras: A ligadura começa a ser desenrolada a meio caminho entre o casco e o joelho do cavalo. Dá-se uma volta completa na ligadura para ficar firme (não apertada), depois cada volta da ligadura vai ficar no meio da volta anterior. Coloca-se a ligadura primeiro em sentido descendente (na direcção do casco) e depois em sentido ascendente (na direção do joelho). Prender com o velcro que já vem incorporado na ligadura.

Conforme o tipo de aula o aluno vai aprender a colocar o cilhão de argolas ou o arreio.

No caso do cilhão de argolas (mais indicado para o volteio), deve ser colocada uma manta por cima do suadouro, para proteger o dorso do cavalo. Coloca-se o cilhão em cima do garrote e deixa-se deslizar até ficar no sitio certo (um pouco mais abaixo do garrote).

As rédeas fixas devem ser postas pelo monitor, que já saberá previamente como as colocar em conformidade com o temperamento do cavalo que vai ser montado no volteio. Se for um cavalo calmo podem ser deixadas compridas para que o animal possa trabalhar numa atitude estendida, o que irá ajudar na colocação em sela do cavaleiro.

Para pôr a cabeçada, o monitor deve exemplificar como se faz e depois deixar que seja o aluno a fazer.

Deve-se pegar na cabeçada com a mão esquerda a agarrar logo abaixo da testeira, a mão direita encaminha a embocadura e encosta-a à boca do cavalo. Com a mesma mão incentiva-se o cavalo a abrir a boca ( colocando dois dedos na comissura dos lábios) e coloca-se a cabeçada. Há uma tira que passa por trás das orelhas e que fixa a cabeçada no sitio certo.

A testeira (como diz o nome) fica assente na testa do cavalo. O bridão não deve ficar demasiado apertado (o que seria desconfortável para o cavalo) nem demasiado largo (pois perderia o seu efeito). Aperta-se a cisgola (tira que passa debaixo da jugular) que deve ficar com quatro dedos de intervalo entre ela e o cavalo, ajusta-se a focinheira e (se for caso disso) a focinheira dupla. A guia de volteio será colocada no serrilhão (cabeção de trabalho ou de argolas) ou no bridão.

Passo 4: Aula

Aula de equitação

Fotografia: NR Acampamentos

Passo 5: Desaparelhar, dar banho e colocar na boxe

No fim da aula o aluno deve aprender a limpar bem o cavalo, dar banho e tomar todas as medidas para que o cavalo fique confortável após o esforço:

  • Substituir a cabeçada pelo cabeção de prisão;
  • Tirar o cilhão de argolas;
  • Tirar as protecções;
  • Limpar os cascos;
  • Dar banho.

Se o tempo estiver quente e seco pode-se dar um banho completo. Se estiver um tempo mais frio lava-se apenas os membros para aliviar do esforço e limpa-se o cavalo com a almofaça para desempastar o pêlo.

No fim do banho deve-se tirar o excesso de água com um raspador e limpar com uma toalha a zona da quartela para evitar o aparecimento de arestins ou outros fungos.

Deixar secar totalmente o cavalo antes de o pôr na boxe.

Para entrar com o cavalo na boxe o aluno deve manter-se do seu lado esquerdo e segurando na corda na maneira correcta. O cavalo deve dar uma volta à boxe, sempre do lado da parede com o aluno do lado de dentro. quando o cavalo já estiver virado de frente para a porta o aluno pode tirar o cabeção e afastar-se em direcção à porta.

Nota 1: Nas primeiras aulas o aluno deve lidar e montar um cavalo manso, calmo e que permita um maneio fácil.

Nota 2: O monitor deve encorajar o aluno a falar muito com o cavalo e a fazer lhe festas para o recompensar. O aluno deverá adquirir uma postura tranquila e natural ao lidar com o cavalo.

Boas aulas!

Seguinte: Equitação II

Este artigo foi publicado na Revista nº4 do Mundo dos Animais, em Dezembro de 2007, com o título “Equitação I”.

Tópicos: Cavalos, Animais de Quinta, Artigos em Destaque