A Idade do Cavalo

Égua e potro

Fotografia: smerikal

A idade de um cavalo pode ser calculada pela aparência do animal, bem como pela análise e evolução dos dentes incisivos deste.

Saber a idade do cavalo pela aparência

Potro

São facilmente reconhecíveis. O seu corpo é pequeno, com membros excessivamente compridos, com articulações bastante grossas.

A cabeça, de aspecto mole, tem traços mal definidos, com olhos e ouvidos muito grandes, com um focinho pequeno e macio. A crina e a cauda são curtas e macias.

Os seus movimentos são irregulares, podendo, no início de vida, tropeçar muito.

Potro (1º ano de vida)

Mantêm um aspecto muito jovem, desajeitados e descompostos, sempre em mudança. Os membros continuam desproporcionados em relação ao corpo. a cabeça não está definida. Crina e cauda curtas e felpudas. Têm movimentos irregulares.

Poldro (2º ano de vida)

Continuam com ar jovem, mas com os membros proporcionais.

A cabeça está agora definida. O corpo tem falta de maturidade e pouco musculado. Crina e cauda mais crescidas, mas ainda curtas.

3 anos de vida

Já se parecem com o seu futuro aspecto adulto, mas ainda pouco musculados. Mantêm a expressão jovem.

Cavalos muito velhos

A idade avançada nota-se na falta de cor. A cabeça tem buracos nas fontes e uma estrutura óssea saliente. Os lábios inferiores estão soltos abertos. O pescoço perde força e as espáduas mais pronunciadas e o dorso mais encovado (selados).

A massa muscular é menor ao longo das costas e dos quartos. Os membro se as articulações mostram sinais de uso (inchaço). O movimento do animal é mais lento, cuidadoso e rígido.

Saber a idade do cavalo pelos dentes

O cavalo tem duas dentições ao longo da sua vida – uma de leite e outra definitiva.

Os dentes de leite são mais brancos e com a radícula maior e corneto menos profundo. Os definitivos são amarelo-acastanhados, mais largos e com a radícula menos pronunciada.

O envelhecer do cavalo é baseado na combinação destes indicadores:

  • Com um ano o cavalo tem seis dentes não gastos em cada maxilar (incisivos);
  • Aos dois anos mostra um conjunto total dos dentes de leite, mas já mais gastos;
  • Aos dois anos e meio os dentes centrais estão substituídos por definitivos, que têm um bordo mais cortante;
  • Aos três anos já nasceram os dois dentes, na sua totalidade;
  • Aos três anos e meio nascem mais dois definitivos, junto aos centrais;
  • Aos quatro nascem totalmente;
  • Aos quatro e meio os dentes de leite dos lados caíram e aparecem dentes em forma de concha;
  • Entre os quatro e os cinco nasce um canino por trás do incisivo, nos machos;
  • Aos seis a dentição está completa, já não havendo dentes em forma de concha;
  • Aos sete aparece a cauda de andorinha nos dentes de lado;
  • Aos oito desaparece essa cauda estando as mesas dos dentes arredondadas e desgastadas, tendo desaparecido as covas centrais dos dentes;
  • Aos nove o cavalo já é considerado de idade;
  • Aos dez surge a doença de Galvayne, nos incisivos do canto superior;
  • Aos quinze a doença atinge metade dos dentes;
  • Aos vinte atinge toda a dentição inferior e começa a desaparecer de cima;
  • Aos vinte e cinco já desapareceu da metade superior.

A partir dos oito anos de idade torna-se difícil calcular a idade do cavalo pelos dentes. Pode, no entanto, dizer-se que não só o desgaste se vai processando, como a inclinação das maxilas aumenta junto com a idade.

Nascimento oficial

Para efeitos de registo, todos os cavalos são dados como nascidos a um de Janeiro. O termo «está a chegar» significa que o cavalo se aproxima do seu próximo aniversário.

Bibliografia: The British Society and the Poney cCub – Guia Prático da Equitação. Editorial Presença

Tópicos: Cavalos, Animais de Quinta, Artigos em Destaque