Cães e Gatos na Mesma Casa: É Possível?

Saiba como ter cães e gatos na mesma casa numa convivência pacífica

Durante anos, quando se falava em ter cães e gatos na mesma casa numa convivência pacífica, as pessoas achavam que tal acontecimento era impossível de suceder, devido ao instinto caçador, necessidade de marcação de território e estilos de vida opostos de ambos os animais. Mas será mesmo impossível manter cães e gatos em harmonia? Será que não podem existir animais que, apesar de espécies diferentes, se possam dar bem, sem se darem como “cão e gato”?

Claro que pode, os nossos melhores amigos também podem ser os melhores amigos uns dos outros. É claro que para que isto aconteça, o primeiro contacto entre os nossos felpudos terá de obedecer a alguns cuidados, para que a primeira impressão um do outro não seja negativa.

Vamos deixar aqui algumas dicas, que poderá utilizar para que os nossos amigos de quatro patas se possam dar bem e poder assim ter cães e gatos em harmonia na sua casa.

1. Tenha paciência (muita…)

O processo de adaptação dos nossos meninos é algo muito importante. Nos primeiros tempos terá de ter algum cuidado para que estes não se ataquem um ao outro, nem se revoltem. Vigie sempre o cão e o gato quando estiverem juntos, de modo a evitar que algo de mal aconteça, quer entre os animais quer na harmonia de sua casa.

2. O espaço

Quando se quer ter vários amiguinhos, convém ter espaço suficiente para que estes possam brincar. Quanto maior o espaço deles, maior será a probabilidade dos novos amigos se sentirem à vontade e andarem a brincar um com o outro. Caso o espaço que disponibiliza para eles seja demasiado pequeno, estes poderão sentir ciúmes e terão a sensação que o outro está a invadir o seu espaço, originando brigas entre eles. É igualmente importante haverem espaços isolados, para que os animais se possam refugiar um do outro, evitando novas brigas.

Não se esqueça que existem animais com “mau feitio” que dispensam companhia, ou mais tímidos que prefiram estar sossegados no seu canto e claro mais ciumentos, que não gostem de partilhar a atenção e o afecto dos donos. O espaço de cada animal deve ser respeitado para que tudo corra bem.

3. A atenção

Não só numa primeira etapa, mas sim em todo o tempo que tenha os seus peludos, terá de dividir a atenção entre eles. Tente dividir a atenção entre os dois, não dê demasiada atenção a um e deixe o outro de lado, pois dessa forma fará com que sintam ciúmes um do outro e a convivência entre eles será problemática.

4. A idade ideal

Poderá juntar cães com gatos em qualquer idade, mas quanto mais tarde os juntar, mais difícil será a adaptação deles um ao outro. A idade ideal para os juntar será até aos seis meses do gatinho e o ano do cachorrinho. Os nossos amigos de quatro patas têm linguagens diferentes, daí a ser complicado a adaptação deles um ao outro; na fase da infância é mais fácil a aprendizagem e a adaptação desta, de modo a que os novos amigos se possam dar bem.

5. Deixe que se conheçam

Numa primeira fase, o cão e o gato vão sentir necessidade de se conhecer, de se cheirar e de brincar. Deixe também que dividam espaços, que dividam a cama, mas nunca os deixe sem vigilância, pelo menos nas primeiras semanas. O primeiro impacto dos nossos amigos deverá acontecer sob muita vigilância e precaução. Ambos deverão estar controlados com mão humana, evitando assim que se ataquem mutuamente, bem como estar a uma determinada distância. Deverá aos poucos ir aproximando-os, deixando que se cheirem, e que se conheçam, mas sempre com cuidado. Durante esta fase eles poderão ter atitudes mais violentas, pelo que já deverá estar preparado caso isso aconteça.

6. O cão

Quando o seu cachorro já estava na casa e só mais tarde entrou o gatinho, deverá ter ensinado previamente ao amiguinho mais velho todas aquelas vozes autoritárias: “senta”, “quieto”, “deita”,etc. , para que quando o elemento mais novo da família chegue seja mais fácil “domar” o cachorro. Essas palavras de controlo sobre o cão servirão para o caso deste tentar atacar o gato. Deixe também o cãozinho preso enquanto o felino conhece toda a casa, para que este se habitue a casa e o cão se habitue a presença de outro filhote na casa.

7. O gato

Quando o seu bichaninho é o mais velho na casa, terá de lhe dar o seu espaço na mesma, nos primeiros tempos deixe o comer do gato num local onde o cão não o verá a alimentar-se, pois assim este sentir-se-á seguro e que a sua propriedade não foi invadida por nenhum outro animal. Só quando o seu bichano se sentir confortável com o outro animal é que o poderá colocar junto deste no que toca a alimentação.

A chegada de novos animais a nossa casa é sempre um momento de alegria e satisfação, mas também de stress para que estes se dêem bem, por isso as dicas que deixamos acima podem ajudar a que esse stress seja diminuído. Com algumas precauções tudo será bem mais fácil e terá o seu cachorro e o seu bichaninho a darem-se lindamente.

Tópicos: Gatos, Cães, Animais de Estimação, Artigos em Destaque