Os Novos e Bizarros Dinossauros do Jurássico

Bizarros dinossauros do Jurássico

Chilesaurus diegosuarezi (esquerda) e Yi qi (direita)
Ilustrações: Gabriel Lío (esquerda) e Mr. Zang Hailong (direita)

O mundo dos dinossauros foi fascinante, com uma abundância e diversidade de animais que nos encanta e preenche o imaginário.

Mas se nos entusiasma o que já sabemos… o que nos reserva o que ainda não sabemos, os fósseis que ainda não descobrimos ou aquela característica que ainda não desvendamos?

Recuando um pouquinho no tempo – não ao tempo dos dinossauros, mas no nosso – só na década de 1990 começamos a perceber que muitos dos dinossauros não avianos (não relacionados com as aves) também tinham penas. Evidências claras, à nossa frente no registo fóssil.

O Velociraptor, por exemplo.

Em 1993, Steven Spielberg com o seu filme «Jurassic Park», trouxe estes ágeis predadores para o grande ecrã, com a fisionomia que estava ilustrada nos livros: corpo de lagarto, escamoso, uma miniatura menos musculada de um tiranossauro e com aquele olhar matreiro de quem procura a próxima refeição.

Em 2007, era publicado um estudo na Revista Science (ligação em pdf) sobre a evidência direta da existência de penas a cobrir a pele deste dinossauro. A nossa antiga imagem do Velociraptor (e muitos outros) não era mais válida. Estes dinossauros eram diferentes. Tinham penas. Em alguns casos, abundantes.

Isto para recordar o quão diferentes os dinossauros podem ser daquilo que imaginamos. Inclusive até ao extremo.

Este ano, 2015, em anúncios feitos com apenas dois dias de diferença, ficamos a conhecer mais dois dinossauros com uma aparência tão bizarra quanto extraordinária e que vieram revolucionar alguns conceitos que tínhamos sobre estes animais pré-históricos.

O período Jurássico, embora não tenha tido tiranossauros como deu a entender o supracitado filme, era ainda mais interessante do que pensávamos há apenas alguns dias atrás.

Que dinossauros são estes?

Chilesaurus diegosuarezi

Chilesaurus diegosuarezi

Chilesaurus diegosuarezi
Ilustração: Gabriel Lío

O Chilesaurus diegosuarezi é um puzzle que esperou 145 milhões de anos em fóssil para ser montado. E o resultado, publicado dia 27 de Abril na Revista Nature, surpreendeu:

  • Era um dinossauro terópode, parente de grandes carnívoros como o alossauro e o tiranossauro, mas era herbívoro;
  • Tinha um pescoço típico de dinossauros saurópodes, o grupo que incluía o braquiossauro e o diplodoco;
  • Tinha um bico semelhante ao dos dinossauros ornitópodes, como o hadrossauro.

Esta conjunção de características num só dinossauro, levou os investigadores a pensarem que se tratavam de fósseis pertencentes a dinossauros de linhagens diferentes.

Chilesaurus diegosuarezi

Chilesaurus diegosuarezi
Ilustração: Gabriel Lío

Este dinossauro foi descoberto em 2004, por um atento menino de sete anos de idade, filho de dois geólogos durante uma expedição em Aisén, uma região no sul do Chile. O nome cientifico do dinossauro, Chilesaurus diegosuarezi, honra o jovem explorador que se chama Diego Suárez, bem como o país da descoberta, o Chile.

Desde essa descoberta, uma equipa de paleontólogos chilenos e argentinos desenterraram mais de uma dúzia destes dinossauros, incluindo quatro esqueletos completos com cerca de três metros de comprimento.

Como nunca se tinha descoberto um dinossauro com esta mistura de características, só através dos esqueletos completos foi possível perceber que se trata de uma espécie e não de várias.

O único dinossauro relativamente parecido é o therizinossauro, também ele bizarro, terópode e herbívoro.

A abundância de fósseis do Chilesaurus também indica que não se tratava de um dinossauro raro. No local onde foram descobertos, existiam mais fósseis pertencentes a estes dinossauros do que a qualquer outro animal. Tratava-se portanto de um dinossauro muito comum e de grande importância no ecossistema.

Yi qi

Yi qi

Yi qi
Ilustração: Mr. Zang Hailong

O também bizarro Yi qi, anunciado em artigo publicado dia 29 de Abril na Revista Nature, tinha membranas a fazer de asas, à semelhança dos morcegos e dos esquilos voadores, mas diferente de todos os dinossauros até hoje descobertos.

Teria capacidade de voar, embora sem grande eficiência – talvez se limitasse a planar, como fazem os esquilos voadores.

Yi qi

Yi qi
Ilustração: Dinostar Co. Ltd.

O pequeno dinossauro, que não seria maior que uma galinha, viveu há cerca de 160 milhões de anos e os seus fósseis foram encontrados por um agricultor, na província de Hebei, na China.

Tal como o Chilesaurus, também o Yi qi (significa «asa estranha») era um dinossauro terópode.

Porque motivo este dinossauro tinha asas diferentes de outros dinossauros que vieram dar origem ás aves? Talvez tenha sido uma experiência falhada na evolução, numa era da história da vida no planeta em que muitas e diversas experiências surgiram e grande parte, se extinguiram.

Novos estudos são esperados sobre estas duas espécies, que nos podem vir a revelar mais sobre a fauna do Jurássico e sobre os dinossauros em geral.

E claro, há sempre a possibilidade entusiasta de se descobrir um novo fóssil amanhã, que nos ajude a desvendar mais uma página de uma dinastia única, da qual apenas sobreviveram as aves.

Mais informação (em inglês):

Tópicos: Dinossauros, Animais Pré-Históricos, Artigos em Destaque