Fósseis Vivos: Quem São, as Espécies e as Fotos

Fóssil Vivo: Caranguejo-ferradura

O que são fósseis vivos? Qual a diferença entre estes e outros animais?

Fóssil vivo é uma expressão informal, uma designação atribuída a animais conhecidos através do registo fóssil de há vários milhões de anos e que, portanto, sobreviveram aos eventos de extinção em massa ocorridos na pré-história.

Estes animais chamados fósseis vivos, são animais muito semelhantes aos seus ancestrais. No entanto, convém salientar que apesar das poucas ou nenhumas diferenças visíveis, a nível molecular as coisas são diferentes e um fóssil vivo, é tão evoluído geneticamente como qualquer outro animal.

A dificuldade na compreensão desta diferença, entre o que se vê (anatómico) e o que “não se vê” (molecular), é o principal factor que leva os defensores das teorias criacionistas, a usar as espécimes de animais fósseis vivos como uma “prova” contra a teoria da evolução. Segundo os criacionistas, o facto de animais existentes há milhões de anos continuarem vivos e inalterados hoje em dia, é uma negação da evolução.

Contudo e como se pode ver num exemplo concreto em baixo – a tuatara – todos os animais evoluem e até bastante rápido, mesmo que não “não pareça”.

Entre os fósseis vivos, encontramos criaturas bizarras, excêntricas ou simplesmente únicas, com um aspecto muitas vezes primitivo (como o tubarão-cobra) ou até alienígena (como os caranguejos-ferradura).

Em principio, a sobrevivência tão duradoura destes animais poderia significar um grande sucesso biológico dos mesmos, no entanto, muitos dos animais fósseis vivos, chegaram até nós porque os seus habitats foram sujeitos a poucas alterações ao longo dos milhões de anos, bem como a competição com outras espécies não os levou à extinção. No mesmo sentido, são também alguns dos animais mais vulneráveis e ameaçados pela acção humana.

Independentemente da sua sobrevivência e da “saga” percorrida durante tantos milhões de anos, os fósseis vivos são, sobretudo, a visão mais realista que podemos ter de como era o mundo há muito, muito tempo atrás.

Fóssil Vivo: Tuatara

Factos e curiosidades sobre fósseis vivos

  • Poucas ou nenhumas alterações anatómicas desde os tempos primitivos;
  • Baixa diversidade genética;
  • Muitas vezes descobertos depois de já serem conhecidos no registo fóssil e considerados extintos*;
  • O fóssil vivo mais conhecido em todo o mundo é o celacanto, cujos fósseis datam de há 400 milhões de anos atrás;
  • Existem outros fósseis vivos que não são animais, tais como bactérias e plantas (a Ginkgo biloba já existe há 50 milhões de anos).

20 Animais Fósseis Vivos

Nesta lista, apresentamos os 20 fósseis vivos que estão “entre nós” há mais tempo, como os celacantos, os nautilus, os crocodilos, os esturjões ou os caranguejos-ferradura. Para teres uma noção mais precisa do que representa cada número em milhões de anos para cada animal apresentado, fica uma ideia base: os dinossauros apareceram há cerca de 230 milhões de anos, desapareceram há 65 milhões de anos e o primeiro Homo sapiens apareceu há “apenas” 0,2 milhões de anos.

(Para mais informação consulta os primeiros animais pré-históricos)

1. Mixinas

Fóssil Vivo: Peixe-Bruxa

As mixinas, também conhecidas como peixes-bruxa ou enguias-de-casulo (classe Agnatha ou Myxini) são os únicos animais vivos de crânio sem coluna vertebral, o que leva alguns taxonomistas a hesitar em classificá-las como animais vertebrados. Têm um aspecto e características tão primitivas quanto os seus ancestrais, gravados no registo fóssil desde há 550 milhões de anos. As mixinas possuem glândulas segregadoras de muco em toda a pele, que usam para se defenderem e escapar de predadores, e são consideradas uma ligação evolutiva crucial entre animais vertebrados e invertebrados.

2. Nautilus

Fóssil Vivo: Nautilus

Quem não conhece os nautilus? Com as suas conchas únicas, que serviram de inspiração a muitos artistas ao longo dos últimos séculos e que representam um dos melhores exemplos naturais de uma espiral logarítmica, estes cefalópodes – parentes das lulas, dos polvos e dos chocos – já “vagueiam” pelos oceanos desde há 500 milhões de anos atrás, tendo “convivido” com inúmeros animais pré-históricos como as trilobites ou os dinossauros. Actualmente, os nautilus podem ser encontrados nas águas do Indo-Pacífico. As 6 espécies de nautilus sobreviventes, de um total de mais de 2.500 espécies identificadas, são praticamente idênticas aos nautilus das águas de há meio bilião de anos atrás. Recentemente descobriu-se que os nautilus têm capacidade de memória longa, apesar de nunca terem evoluído as estrututas cerebrais necessárias para o efeito. Como? Boa pergunta.

3. Língulas

Fóssil Vivo: Língula

As língulas estão entre os animais mais “conservadores” do planeta: existem há mais de 500 milhões de anos e as alterações na sua aparência desde essa altura (período Cambriano, muito antes do primeiro dinossauro pisar a Terra), são mínimas. As conchas apresentam a forma de uma língua (classe Lingulata, a palavra latina para “língua”) e possuem um longo pedículo com o qual se movimentam no solo arenoso.

4. Caranguejo-ferradura

Fóssil vivo: caranguejo-ferradura

O caranguejo-ferradura, ou límulo (Limulus polyphemus), além de ser um fóssil vivo – está no registo fóssil do período Ordoviciano, há cerca de 450 milhões de anos – é um animal fascinante em muitos aspectos. A sua aparência meio alienígena e meio pré-histórica, esconde um sangue azul, literalmente azul, considerado muito valioso na medicina humana para o combate a infecções bacterianas, uma extracção onde não são sacrificados, sendo devolvidos à água sem problemas. Estes caranguejos são também capazes de regenerar membros perdidos, como uma estrela do mar. Apesar do nome, estão mais próximos das aranhas e dos escorpiões do que dos caranguejos. Na verdade, é o animal vivo mais próximo das trilobites que podemos observar. Tive oportunidade de fotografar um exemplar destes animais na visita ao Sea Life.

5. Celacanto

Fóssil vivo: celacanto

O celacanto (Latimeria chalumnae e Latimeria menadoensis) é provavelmente o fóssil vivo mais conhecido em todo o mundo. Durante bastante tempo pensou-se que estes peixes, com origem há cerca de 400 milhões de anos, tinha sido extinto juntamente com os dinossauros no final do período Cretácico, há 65 milhões de anos. Até que em 1938 foi descoberto, junto com outros peixes, apanhados por um pescador local na África do Sul. Desde então, já foram observados celacantos no Quénia, Tanzânia, Moçambique e Madagáscar. Curiosamente, os animais mais próximos taxonómicamente do celacanto, são os tetrápodes (vertebrados de quatro patas) e os peixes pulmonados, que podes conhecer já aqui em baixo. Os celacantos conseguem viver mais de 100 anos.

6. Peixe-pulmonado-australiano

Fóssil vivo: Peixe-pulmonado-australiano

O peixe-pulmonado-australiano (Neoceratodus forsteri) é nativo dos rios de Queensland, na Austrália. É o único membro sobrevivente da família Ceratodontidae, uma família ancestral da subclasse Sarcopterygii, que surgiu no planeta há mais de 380 milhões de anos. Apesar do animal ter evoluído desde então, as diferenças entre os peixes-pulmonados de há 100 milhões de anos e este agora, são mínimas. É um dos animais vertebrados mais antigos do mundo.

7. Vermes aveludados

Fóssil vivo: Vermes aveludados

Os vermes aveludados (filo Onychophora, espécie Euperipatoides kanangrensis na imagem) habitam os trópicos, as zonas temperadas do hemisfério sul e não gostam de luz – por isso são mais activos durante a noite. Existem fósseis do que parecem ser vermes aveludados desde o período Cambriano há mais de 500 milhões de anos, que eram contudo animais marinhos. A transição para terra poderá ter acontecido entre os 490 e os 420 milhões de anos atrás. O baixo “potencial” de fossilização destes animais leva à sua escassez no registo fóssil, no entanto existem evidências mais claras no período Cretácico e, principalmente, nos depósitos do Eoceno datados de há 40 milhões de anos. E cá continuam.

8. Baratas

Fóssil vivo: Baratas

As baratas são insectos popularmente conhecidos – não popularmente amados digamos assim – que já se encontram no registo fóssil datado de há cerca de 400 milhões de anos, no período Siluriano. Desde então, as mudanças são realmente poucas. A barata na foto está preservada em âmbar e viveu há 40 – 50 milhões de anos atrás.

9. Esturjão

Fóssil vivo: Esturjão

Outro animal também popularmente conhecido, o esturjão, é encontrado no registo fóssil datado de há 200 – 230 milhões de anos. Tal como é “normal” nos chamados fósseis vivos, o esturjão também pouco ou nada mudou desde o seu aparecimento – juntamente com o aparecimento dos primeiros dinossauros – até ás nossas águas actuais.

10. Crocodilos

Fóssil vivo: Crocodilos

Provenientes também de há cerca de 230 milhões de anos, juntamente com os esturjões e os dinossauros, os crocodilos são também os animais com aparência mais… dinossauresca. Por esse motivo, muitas vezes os crocodilos não são apelidados de fósseis vivos mas sim de dinossauros vivos, um nome que lhes assenta bem. Os crocodilos actuais evoluíram há cerca de 84 milhões de anos, no período Cretácico, tendo sobrevivido à extinção que aniquilou os dinossauros, à semelhança das tartarugas e outros animais. Apesar da aparência, são os parentes vivos mais próximos das aves, representando uma ligação entre répteis e aves que divergiu há muitos milhões de anos. A aparência dos crocodilos praticamente não se alterou desde o tempo dos dinossauros, embora tenha havido evolução notória no esqueleto que os torna, hoje, mais fortes e mais ágeis do que no passado remoto.

11. Tartarugas

Fóssil vivo: Tartarugas

As tartarugas que tão bem conhecemos, inclusive como animais de estimação nas nossas casas, fazem parte de um dos grupos de répteis mais antigos do planeta. As primeiras tartarugas, chamadas proto-tartarugas, viveram há cerca de 220 milhões de anos, no período Triássico. Estas proto-tartarugas tinham a carapaça incompleta, como se nunca tivessem passado do estado embrionário, e tinham dentes. À medida que foram evoluindo, as carapaças tornaram-se mais completas, e as espécies datadas de há cerca de 160 milhões de anos, no período Jurássico, já eram muito semelhantes às tartarugas que conhecemos hoje em dia.

12. Triops

Fóssil vivo: Triops

Semelhantes a caranguejos-ferradura, mas em miniatura, os triops (Triops longicaudatus) são bem conhecidos dos aquariofilistas que apreciam ter um autêntico fóssil vivo nos seus aquários. Originários no período Triássico, há cerca de 220-230 milhões de anos, os triops respiram pelas patas e pertencem à família dos caranguejos e dos camarões. O nome triops refere-se aos três olhos que possuem. Os triops actuais são praticamente iguais aos que habitaram as águas do nosso planeta há 70 milhões de anos, ainda no tempo dos dinossauros.

13. Tuatara

Fóssil vivo: Tuatara

Um dos fósseis vivos mais conhecidos em todo o mundo, as tuataras, animais “genuinamente” pré-históricos, tiveram origem no nosso planeta há cerca de 200 milhões de anos, tendo sobrevivido até hoje apenas duas espécies, a Sphenodon guntheri e a Sphenodon punctatus. Embora as tuataras se assemelhem a lagartos, pertencem a uma família com características absolutamente únicas entre os répteis. Apesar de consideradas fósseis vivos, pelas muito poucas diferenças anatómicas com os fósseis do período Triássico, estudos moleculares recentes demonstraram que estes animais não estão parados na evolução: pelo contrário, a evolução molecular das tuataras é mais rápida do que a de qualquer outro animal até hoje analisado (ver “Fastest Evolving Creature is Living Dinosaur” e “Tuatara evolving faster than any other species“). As tuataras têm uma dentição bastante única: duas fileiras de dentes na mandíbula superior e uma só fileira na mandíbula inferior.

14. Tubarões-de-Port-Jackson

Fóssil vivo: Tubarões-de-Port-Jackson

Os tubarões-de-Port-Jackson (Heterodontus portusjacksoni) são uma das nove espécies vivas da ordem dos Heterodontiformes, animais que estão presentes no registo fóssil do período Jurássico, datados de há cerca de 175 milhões de anos (embora se suspeite que tenham surgido mais cedo), surgindo assim antes de qualquer grupo de tubarões modernos. Em termos de aspecto, os tubarões-de-Port-Jackson continuam semelhantes aos primeiros Heterodontiformes, sendo assim considerados fósseis vivos.

15. Ornitorrinco

Fóssil vivo: Ornitorrinco

Apesar de não ter um aspecto típico primitivo, os ornitorrincos (Ornithorhynchus anatinus) também não se parecem com mais nenhum outro animal e os estudos revelam aquilo que à primeira vista se nota: são estranhos. Muito. Os ornitorrincos são mamíferos que põem ovos e possuem veneno, além de terem o conhecido bico de pato, de segregarem o leite através de poros na pele e de terem 10 cromossomas sexuais – ao contrário da maioria dos mamíferos que possuem 2, o X e o Y. Como se não bastasse de peculiaridades, conseguem detectar as próximas presas através de electro-receptores. A singularidade dos ornitorrincos já levou mesmo os cientistas a classificarem-nos erradamente como répteis. A presença dos ornitorrincos na pré-história ficou comprovada pela existência de um fóssil com cerca de 110 milhões de anos, pertencente a um Sterophodon, parente do ornitorrinco de aspecto muito similar e que viveu no período Cretácico. A origem mais ancestral parece remontar, contudo, a cerca de 167 milhões de anos, no período Jurássico.

16. Lula-vampira-do-inferno

Fóssil vivo: Lula-vampira-do-inferno

Com o aterrorizante nome de lula-vampira-do-inferno (Vampyroteuthis infernalis), este animal vive nas águas profundas dos Oceanos Atlântico e Pacífico, sendo o único cefalópode conhecido capaz de viver a 1 quilómetro de profundidade. É também uma relíquia sem paralelo no mundo animal. Assim como o caranguejo-ferradura não é um caranguejo e o musaranho-elefante não é um musaranho (nem um elefante…), a lula-vampira também não é uma lula, mas sim a descendente de um grupo de cefalópodes já extintos. Um fóssil dos meados do período Jurássico, com cerca de 165 milhões de anos, provou que as lulas-vampiras já existiam claramente nessa altura. A única diferença entre a lula-vampira do tempo dos dinossauros (Vampyronassa rhodanica) e a actual, é nas diferentes dimensões dos braços e do manto.

17. Aruanãs

Fóssil vivo: Aruanã

Os aruanãs, também conhecidos como peixes-língua-de-osso (na foto a espécie Osteoglossum bicirrhosum), são peixes de água doce que podem ser mantidos em aquários, embora necessitem de grandes dimensões e condições muito especiais, não recomendados portanto a aquariofilistas amadores. Os aruanãs representam uma visão da pré-história: os seus ancestrais datam de há 200 milhões de anos, embora os aruanãs actuais sejam descendentes dos inícios do período Cretácico, há cerca de 140 milhões de anos, tendo mudado muito pouco desde essa altura.

18. Tubarão-cobra

Fóssil vivo: tubarão-cobra

Há relativamente pouco tempo falamos aqui no Mundo dos Animais do tubarão-cobra (Chlamydoselachus anguineus) na fotogaleria de tubarões. Não obstante o seu aspecto claramente primitivo e “desenquadrado”, o tubarão-cobra vem de uma linhagem que terá surgido há mais de 90 milhões de anos, provavelmente mesmo há 150 milhões de anos. Habita águas profundas, como 1.500 metros de profundidade, e tem um corpo parecido com as enguias. O espécime capturado nas águas superficiais do Japão e logo transportado para um parque aquático, morreu poucas horas depois, por doença – provavelmente a mesma doença que o levaria a subir das profundezas à superfície. A observação foi contudo valiosa, dado tratar-se de um animal tão raro e primitivo.

19. Rã de Archey

Fóssil vivo: Rã de Archey

A rã de Archey (Leiopelma archeyi) é um anfíbio criticamente ameaçado de extinção, perto de acabar uma “saga” que já dura há mais de 150 milhões de anos: é praticamente indistinguível dos fósseis do Jurássico, sendo uma das rãs mais primitivas existentes. Caso não consiga sobreviver à extinção, a rã de Archey corre o risco de deixar de ser um fóssil vivo e passar a ser, simplesmente, um fóssil. Esperemos que não.

20. Formiga Martialis heureka

Fóssil vivo: Martialis heureka

A Martialis heureka é um dos últimos fósseis vivos descobertos. Esta formiga é cega, habita os túneis subterrâneos da floresta Amazónia e descende directamente das primeiras linhagens de formigas, que evoluíram no subsolo e começaram a ascender à superfície há cerca de 125 milhões de anos, no período Cretácico. A Martialis heureka apresenta várias características primitivas como a cegueira e as mandíbulas em forma de forceps, tendo esta mesma espécie aparecido há cerca de 50 milhões de anos. Como habita nos túneis subterrâneos, o ambiente estável e escondido protege esta formiga da competição com as formigas modernas, um dos factos que contribuiu para a sua sobrevivência desde a pré-história até hoje.

Os mais recentes (e improváveis) fósseis vivos

Fóssil vivo: Panda-vermelhoSabias que os coalas, pandas-vermelhos e musaranhos-elefantes também são considerados fósseis vivos?

Os primeiros ancestrais dos pandas (quer dos pandas-vermelhos como dos pandas-gigantes) habitaram o planeta no início do período Terciário, há cerca de 65 milhões de anos atrás, logo após a extinção que eliminou os dinossauros. O panda-vermelho propriamente dito, está no registo fóssil desde há 5-7 milhões de anos. Já sobre os coalas, os registos fósseis ascendem a 20 milhões de anos, quando os seus ancestrais evoluíram no sentido de habitarem as florestas tropicais, ao contrário dos eucaliptos que hoje lhes servem de casa.

Os musaranhos-elefantes actuais (que apesar do nome, não são parentes nem dos musaranhos, nem dos elefantes, nem de “coisa nenhuma” pois a sua classificação ainda é muito debatida) são praticamente idênticos aos seus ancestrais que floresceram no continente africano há cerca de 30 milhões de anos atrás. Tal como estes ancestrais, são animais insectívoros. Mais antigas são as aranhas-de-alçapão (família Ctenizidae), cuja existência já remonta há 85 milhões de anos.

Outro animal bem conhecido é o dragão-de-komodo, um lagarto da Indonésia que partilha com os crocodilos um aspecto dinossauresco. Podendo atingir 3 metros de comprimento e 70 quilos de peso, este género de lagartos (Varanus) surgiram na Ásia há cerca de 40 milhões de anos, tendo depois migrado para a Austrália. A colisão entre a Austrália e o Sudoeste Asiático, ocorrida há uns 15 milhões de anos, permitiu que os dragões-de-komodo se deslocassem para aquele que é, hoje, o arquipélago indonésio. Os dragões-de-komodo actuais diferenciaram-se dos ancestrais há cerca de 4 milhões de anos.

Há 23 milhões de anos, apareceram os primeiros aardvarks (Orycteropus afer), um mamífero noctívago africano, parente dos elefantes, que tende a aparecer em primeiro lugar em todas as listas alfabéticas de animais (porque será?). No caso do aardvark, não só a aparência mais também os seus cromossomas têm-se mantidos idênticos ao longo de milhões de anos. Antes deles, há 46 milhões de anos, divergiram dos marsupiais australianos os monitos-del-monte (Dromiciops gliroides), pequenos marsupiais da América do Sul e únicos membros vivos da sua ordem. Mede apenas 13 centímetros e pesa cerca de 30 gramas.

Para último mas nada menos interessante, os okapis (Okapia johnstoni). É uma das duas espécies remanescentes da família Giraffidae – sendo que a outra espécie, é a própria girafa. Os okapis foram considerados animais extintos por se conhecerem apenas através do registo fóssil. Depois, foram considerados animais críptidos, pois apenas existiam relatos da sua existência entre os habitantes locais da República Democrática do Congo. Por fim, este fóssil vivo foi encontrado… vivo. Os okapis têm um pescoço muito mais curto que as girafas actuais e são animais por norma solitários. Tiveram origem há cerca de 15 milhões de anos e estão, de momento, em perigo de extinção. São o exemplo vivo mais próximo das girafas primitivas do nosso mundo.

* Existe uma pequena diferença entre animais fósseis vivos e o fenómeno paleontólogo chamado taxon lazarus. Este último representa as espécies animais e/ou vegetais que, consideradas extintas, reapareceram. O nome refere-se a Lázaro, um personagem bíblico que, depois de morto, foi ressuscitado. Dado que a grande maioria dos animais que reaparecem têm um estado de conservação criticamente ameaçado, é comum dizer-se que se tratam de extinções adiadas e não de “ressurreições”, sendo que os animais acabam muitas vezes por extinguir-se. De vez.

Tópicos: Animais Selvagens, Artigos em Destaque