10 Grandes Mitos do Mundo dos Animais

Muitas vezes torna-se difícil separar o facto da ficção, sobretudo no que diz respeito aos animais, onde inúmeros mitos abundam e são passados de pessoa em pessoa sem se questionar a veracidade dos mesmos. O comportamento animal, diversas vezes incompreendido pelo ser humano – porque um gato se comporta como um gato, um cão como um cão, um elefante como um elefante – dá origem ás mais diversas especulações.

Nesta lista, compilada pela Discovery / Animal Planet, vais conhecer o veredicto de 10 grandes mitos no mundo dos animais. Uns são verdadeiros, outros não passam de lendas urbanas.

Vê também:

10. Os elefantes nunca esquecem

A expressão “tens memória de elefante” pode ter origem no facto de que são os animais terrestres com o maior cérebro do planeta e, aparentemente, quanto maior a massa cerebral, melhor é a memória. Os elefantes, recordistas pela sua força, são capazes de reter mentalmente o mapa de toda a região onde habitam – estamos a falar de áreas com milhares de quilómetros quadrados.

Os elefantes vivem em grupos e, quando um grupo fica muito grande, a filha mais velha separa-se do mesmo e inicia a sua própria jornada, sem no entanto esquecer as suas raízes: um investigador já testemunhou uma mãe e uma filha a reconhecerem-se depois de 23 anos de separação total.

Veredicto: Verdadeiro

9. Os crocodilos são bebés chorões

Uma velha fábula diz-nos que os crocodilos choram quando estão a matar e comer as suas presas. O que acontece na realidade, é que estes gigantes predadores não podem mastigar, então são forçados a rasgar a carne e engolir esses pedaços inteiros. Por acaso, as glândulas que mantém os seus olhos húmidos estão bem perto das suas gargantas, pelo que o esforço que fazem ao engolir os pedaços de carne lhes provocam, efetivamente, o lacrimejar dos olhos.

Veredicto: Verdadeiro

8. As lebres de Março são loucas

A expressão “és louco como uma lebre de Março” não é muito comum hoje em dia, mas era moda no século XVI. Naquela altura, a expressão refletia o comportamento alterado das lebres durante a época de acasalamento – que na Europa é precisamente no mês de Março – bastante diferente da habitual timidez e descrição destes animais. Na época de acasalamento, é comum as lebres tornarem-se agressivas e terem confrontos físicos semelhantes a boxe.

Veredicto: Verdadeiro

7. As marmotas conseguem prever a chegada da Primavera

Diz a lenda que no dia 2 de Fevereiro, todas as marmotas terminam a sua hibernação e saem das suas tocas. Se virem a sua sombra, é porque o Inverno dura mais seis semanas; se não virem, é porque está a Primavera a caminho. O que acontece é que as marmotas preparam um período de 6 a 7 meses de hibernação ingerindo cerca de 1/3 do seu peso numa base diária. Quando emergem, isso é na verdade uma resposta biológica ás alterações na luz e na temperatura, que dão indicações precisas sobre o clima e portanto, sobre a chegada da Primavera.

Veredicto: Verdadeiro

6. Os morcegos são cegos

Esta especulação foi uma consequência do facto de os morcegos se guiarem através de uma forma de sonar e, com isso, voar em plena escuridão e evitar obstáculos. No entanto os seus olhos, apesar de serem pequenos e por vezes pouco desenvolvidos, são também perfeitamente funcionais.

Veredicto: Falso

5. Cão velho não pode ser ensinado

Lá porque um cão se está a aproximar da sua idade mais avançada, não significa que não possa aprender coisas novas. De facto, com um treino de cerca de 15 minutos diários durante umas duas semanas, o cão mais velho ou teimoso aprende a sentar, pegar ou rebolar. O ditado de que o cão velho não aprende é para ser levado menos para o lado dos cães e mais para o lado de nós próprios.

Veredicto: Falso

4. Dentes em galinhas são muito raros

Houve um período em que esta expressão era frequentemente utilizada, para descrever algo muito raro ou difícil de encontrar. Se voltarmos um tempo atrás – muito tempo atrás, 150 milhões de anos – encontramos a ancestral das galinhas chamada Archaeopteryx, equipada com plumas, garras e um bico cheio de dentes em forma de cone. Os cientistas não só descobriram que as galinhas ainda possuem o ADN necessário para desenvolver os dentes, como o colocam em prática.

Veredicto: Falso

3. Os camelos armazenam água nas suas bossas

Os camelos podem sobreviver sete dias sem beber água, mas ao contrário do que se pensava, não armazenam este líquido vital nas suas bossas. Eles são capazes de evitar a desidratação que se torna fatal para a maioria dos outros animais, muito graças à forma oval dos glóbulos vermelhos que possuem no seu sangue (ao contrário da forma circular dos glóbulos vermelhos mais comuns).

Quanto ás bossas, são um grande armazém de gordura que fornecem ao camelo a quantidade de energia equivalente a três semanas de alimento. A retenção da água, por sua vez, é efetuada nos rins e nos intestinos do camelo. Estes órgãos são tão eficientes que a urina do camelo é tão espessa como um xarope e as suas fezes tão secas que até servem de combustível para fogos.

Veredicto: Falso

2. As bichas-cadelas vivem dentro dos nossos ouvidos

Que ideia aterradora não é? As bichas-cadelas, também conhecidas como bichas-tesouras ou simplesmente tesourinhas, são insetos que procuram lugares quentes e húmidos, mas é pouco provável que vão escolher os nossos ouvidos. Mesmo que o fizessem, não conseguiriam ir longe: existe um osso no nosso canal auditivo que a impediria de escavar ou até de colocar ovos. Podem dormir mais tranquilos.

Veredicto: Falso

1. Os lemingues suicidam-se

Quem esteve atento ao Mundo dos Animais reparou que, há umas semanas atrás, falamos do outro lado dos vídeos com animais e mais concretamente na famosa cena do suicídio dos lemingues num documentário, que muita polémica – e com razão – acabou por dar.

O mito deste suicídio teve início em 1530, quando um geógrafo propôs essa teoria para explicar os lemingues a “cair do céu” – levados por tempestades de vento. Desde essa altura e até meados do séc. XX, pensou-se que os lemingues praticavam suicídio em massa, mas o que acontece é que os animais morrem durante as maiores migrações por acidentes naturais (como afogamento ao tentarem atravessar um rio demasiado largo) ou simplesmente doenças e velhice.

Veredicto: Falso

Tópicos: Animais Selvagens, Artigos em Destaque