O que é uma Raça?

Galgo Afegão

Fotografia original: Rafa Mora Arévalo

Vamos ver como se define em termos gerais uma raça de cão:

A definição mais genérica e recorrente para o termo raça é: grupo de animais de uma mesma espécie que possuem características comuns e, em alguma medida, diferentes de outros indivíduos da mesma espécie, e que são capazes de transmitirem essas mesmas características aos seus descendentes.

Para que esses grupos mantenham essa distinção, devem permanecer isolados naturalmente (por exemplo por motivos geográficos) ou artificialmente (pela intervenção humana).

As mesmas leis genéticas que determinam a transmissão de características externas (aparência) definem as aptidões funcionais.

A diferença é que se pode ver com muita facilidade o resultado da hereditariedade das características externas e pouquíssimas são as características funcionais possíveis de serem percebidas pela visão. A maioria depende de testes funcionais (provas de velocidade, de aptidão para trabalho, de força muscular, de docilidade, de resistência, etc.).

No passado, todas as raças de cães, como de resto todos os animais domésticos, surgiram por diferenças funcionais e não de aparência.

Cães pastores distinguiam-se dos galgos não porque eram peludos e robustos, mas porque tinham instinto e aptidão para pastorear. Já os galgos eram seleccionados e procriados por serem velozes, terem uma visão privilegiada e um desejo enorme de perseguir animais silvestres, e não por serem altos ou terem pelo curto.

Como se prova que um cão é desta ou daquela raça

A única maneira de se poder provar que um cão é duma determinada raça é somente pela apresentação do seu registo no Livro de Origens Português (LOP).

Se porventura o cão for de raça nacional e não tiver LOP, pode apresentá-lo a um juiz da raça de modo a conseguir o RI (registo inicial). Desse modo, pode participar em exposições. Tenha no entanto atenção que cachorros filhos de cães com RI não podem ser registados no LOP.

Para mostrar um exemplo, aqui está um exemplar de LOP:

Registo no Livro de Origens Português

O LOP (pedigree) é o registo do parentesco ascendente dos animais chamados de raça pura. Este registo é feito em entidades oficialmente reconhecidas e, dentro do alcance de cada uma, tem aceitação de idoneidade e valor como documento legal.

No pedigree canino estão registados todos os ascendentes imediatos: pais, avós e bisavós, totalizando catorze nomes fora o do próprio cão. Cada nome vem acompanhado dos títulos que eventualmente tenham sido obtidos pelos animais até a data do registo.

Consta também uma descrição sucinta do cão, o nome do criador (dono da mãe), do proprietário, o número de registo e número de chip ou tatuagem.

A Entidade que faz o registo no LOP e posteriormente emite o certificado, no caso de Portugal, é o Clube Português de Canicultura.

Para finalizar, um pequeno conselho:

  • Não compre animais a quem não lhe são mostrados os pais;
  • Não compre animais com menos de 10 semanas de idade;
  • Não compre animais a quem cria muitas raças diferentes;
  • Desconfie sempre de quem lhe pergunta se quer um cão sem pedigree ou com pedigree;
  • Não compre animais sem visitar o criador de modo a verificar as condições em que os animais estão a ser criados;
  • Não compre animais filhos de progenitores agressivos.

Escusado será dizer que qualquer cão sem LOP é, para todos os efeitos, considerado rafeiro ou SRD (Sem Raça Definida). Mesmo que a aparência física seja em tudo semelhante a uma determinada raça.

Este artigo foi originalmente publicado no antigo Fórum Mundo dos Animais, em Setembro de 2007, com o título “O que é uma Raça?”.

Tópicos: Raças de Cães, Cães, Animais de Estimação, Artigos em Destaque