Imagens da Semana: 6 – 12 Novembro 2016

O resgate de animais vítimas da guerra na Síria, um gatinho salvo no Afeganistão e levado para os EUA e uma corça salva por um caçador. Estas e muitas outras histórias nesta edição das imagens da semana.

Animais vítimas da guerra na Síria

Animais vítimas da guerra na Síria

Fotografias: Louai Beshara / AFP

Alguns dos 350 animais, vítimas da guerra na Síria, resgatados e abrigados pela Syrian Team for Animal Rescue (STAR), que os considera as “vítimas esquecidas” do conflito. A associação abriga cães, gatos e até alguns animais mais exóticos, como tartarugas e pássaros.

Muitos deles têm ferimentos de guerra, foram baleados, perderam alguma pata, estão cegos, paralisados ou têm marcas de maus-tratos. Dos 350 animais, 116 necessitam de cuidados veterinários permanentes. Para conhecer melhor o trabalho da associação e/ou fazer um donativo, consulte a página no Facebook.

Koala encontrado numa bolsa

Fotografia: South Brisbane Police / Via mypolice.qld.gov.au

Um koala com seis meses de idade, chamado Alfred, encontrado pela polícia de Queensland quando mandaram parar uma senhora de 50 anos na estrada. O motivo pela qual a polícia a mandou parar não foi revelado, mas a certa altura a senhora entrega aos agentes uma mala, e dentro dela estava o pequeno koala. O animal estava um pouco desidratado, mas bem de saúde, e foi entregue à RSPCA, onde será cuidado até poder ser libertado.

Soldado salva gatinho

Soldado salva gatinho

Fotografias: Christine Bouldin

A soldado Christine Bouldin com o seu gato Felix, quando o salvou em serviço no Afeganistão (primeira foto) e já em sua casa depois de o ter conseguido trazer para os EUA (segunda foto). O pequeno Felix sofre de Hipoplasia Cerebelar (HC), uma doença neurológica que provoca dificuldades motoras, como desequilíbrios, tremores e descoordenação.

Para o conseguir adotar, Christine teve de pagar 300 dólares a um taxista para o transportar até uma associação de animais em Cabul, que se prontificou a tomar conta dele temporariamente, e depois mais 2 mil dólares para o transporte aéreo até aos Estados Unidos. E valeu a pena, pois claro.

Bebé com pit bull

Fotografia: murphyandsissy / Instagram

Um bebé recosta-se alegremente junto de um cão da raça pit bull. Os pit bulls são uma das raças que carrega sobre elas a injusta reputação de serem habitualmente perigosos e agressivos, sendo mesmo proibidos em alguns locais. Naturalmente, as interações com bebés e crianças deve ser sempre supervisionada por adultos, não por serem pit bulls, mas porque isso deve ser feito com qualquer animal. Pode ver mais fotos nesta página do Instagram.

Agapornis sem penas

Fotografia: rhea_thenakedbirdie / Instagram

Rhea, uma agapornis que sofre da doença do bico e das penas dos psitacídeos (PBFD), com uma roupinha adequada para não a deixar passar frio. Esta é uma doença viral que afeta mais de 60 espécies de psitacídeos por todo o mundo. Os principais sintomas são a deformação e queda prematura das penas e ainda lesões no bico e nas garras. Pode ver mais fotos da Rhea na sua página no Instagram.

Caçador salva corça

Fotografia: IHA

Um caçador no norte da Turquia salvou uma corça gravemente ferida nas patas, sem conseguir mover-se, carregando-a aos ombros por mais de três quilómetros. Bal estava com amigos a caçar aves na floresta, quando ouviram os gemidos e decidiram segui-los até encontrar o animal. A primeira coisa a fazer foi parar a hemorragia, tendo Bal levado então a corça até ás autoridades onde recebeu imediatamente cuidados veterinários. E sim, a ajuda por vezes vem de quem menos se espera.

Lesma do mar (Melibe viridis)

Lesma do mar (Melibe viridis)

Fotografias: Screenshot Youtube

Uma lesma-do-mar da espécie Melibe viridis a utilizar a sua curiosa arma de caça (ou pesca): a sua enorme cabeça gelatinosa. Esta lesma, carnívora e pertencente aos nudibrânquios (uma subordem de moluscos que tem as brânquias desprotegidas), flutua logo acima do solo marinho com a ajuda de 13 apêndices semelhantes a patas.

Como não possui grande visão, estende a cabeça gelatinosa de forma a cobrir a maior área possível e, assim que uma presa é detetada (geralmente um pequeno molusco ou caranguejo), as filas de papilas sensoriais semelhantes a dentes fecham-se e a presa fica encurralada no interior. Veja aqui o vídeo desta lesma em ação.

Águia-real

Fotografia: Peter Cairns / RSPB

Uma águia-real fotografada no Parque Nacional de Cairngorms, na Escócia. A população de águias-reais no Reino Unido tem crescido e já superou o nível considerado viável para a sobrevivência da espécie a longo prazo. Apesar de continuar ausente de um terço do seu território original, existem agora 508 pares reprodutores, todos na Escócia, uma subida em relação aos 442 pares encontrados em 2003 e 422 pares em 1992. Em Inglaterra, a última águia-real deixou de ser vista este ano e teme-se que tenha morrido.

Tiranossauro robot

Fotografia: Toru Hanai / Reuters

Um robot com a forma de um tiranossauro, chamado TRX03 e produzido pela On-Art Corp do Japão, exibe-se no seu dia de estreia no passado dia 10 de Novembro em Tóquio. O tiranossauro é um dos dinossauros mais famosos de sempre e um dos maiores carnívoros já descobertos, podendo atingir os 13 metros de comprimento e 6,5 metros de altura. Apesar de já ter sido descoberto há mais de um século, os seus braços tão pequenos continuam a intrigar os cientistas, que ainda procuram respostas sobre que utilidade poderiam ter.

Até para a semana!

Tópicos: Imagens da Semana, Fotografia Animal