Foto-Reportagem: Um dia no Zoo Santo Inácio

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

O Zoo Santo Inácio é um zoológico situado no norte de Portugal, mais concretamente em Avintes, Vila Nova de Gaia e conta já com 10 anos de existência.

Alberga uma enorme variedade de espécies, desde répteis a aves, a insectos a mamíferos. Um local onde se pode apreciar a natureza e a paz que ela nos transmite. Um refúgio dentro de uma cidade que nos dá a conhecer misteriosas e curiosas formas de vida, ensinando-nos a história da evolução e fazendo-nos reflectir sobre o que nos rodeia.

Nesta foto-reportagem falamos sobre alguns dos animais que nele residem.

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

O elande (Taurotragus oryx) é o maior antílope africano que, quando ameaçado, pode dar saltos até dois metros e atingir os 40 quilómetros por hora em corrida.

Os chifres começam a crescer no primeiro mês e nunca caem, fazendo parte da indumentária de ambos os sexos.

Esta espécie forma grupos familiares com várias fêmeas e crias e um macho dominante, ficando os machos jovens em grupos separados. O tempo de gestação compreende nove meses, escondendo-se a cria algumas semanas no mato em “creches” que as mães visitam apenas para alimentar. Poderão viver até aos 25 anos de idade.

A sua alimentação consiste em folhas, raízes tubérculos e ervas, que consomem preferencialmente à noite.

O Robby (na fotografia em cima) foi a prenda de Natal do Zoo, que tendo sido rejeitado pela mãe, teve que ser criado à mão. As primeiras horas de vida foram acompanhadas com muito cuidado e muito carinho por parte dos técnicos do Zoo. A sua alimentação inicial consistiu em quatro tomas de leite por dia, sendo a frequência reduzida com o tempo e estando agora a alimentar-se, para além do leite, de feno.

De muito frágil, o pequeno elande foi resistindo às adversidades e ao rigoroso Inverno, mostrando agora energia e vontade em correr e brincar!

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Os pavões são originários do sul da Ásia e da Malásia, onde ainda existem em estado selvagem.

Pelas suas características chamativas, espalharam-se rapidamente pela China e foram trazidos para a Europa há muitos séculos atrás. Não costumam afastar-se muito do ninho ou do local onde vivem, por isso estão bem em parques e jardins. Passam a noite empoleirados nas árvores.

Este membro da família Phasianidae faz jus à expressão ‘pavonear-se’! É um pleno engatatão vaidoso que tenta a todo custo que a fêmea olhe para ele e, mais que isso, se encante pelas suas belas cores. Será que elas resistem?

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

A palavra canguru deriva de gangurru, do idioma aborígene Guguyimidjir, significando um canguru cinzento. Contrariamente ao que dita a lenda, que indica que o nome derivaria de uma falha de comunicação entre os exploradores ingleses e os nativos das Austrália.

Na viagem de descoberta da Austrália, um grupo de marinheiros do Capitão Cook capturou um bebê canguru, e trouxe a estranha criatura a bordo do navio. Ninguém sabia o que era aquilo, então alguns homens foram enviados à praia para perguntar aos nativos. Quando os marinheiros retornaram, disseram aos seus companheiros: “é um canguru”.

Muitos anos mais tarde, descobriu-se que quando os aborígenes disseram “canguru” significa “Não sei.” na linguagem deles. Isto deve-se a que quando os ingleses voltaram à Austrália, vários anos depois, referiam-se a este animal como canguru. Uma vez que o idioma Guguyimidjir era falado apenas por algumas tribos aborígenes, os muitos nativos australianos que não falavam Guguyimidjir não entendiam ao quê os ingleses se estavam a referir.

Todos os marsupiais se reproduzem por um processo especial em que os filhos nascem numa fase de desenvolvimento muito prematura e são criados com leite, fora do corpo materno, por vezes no interior de uma bolsa.

É o caso deste canguru-albino (fotografia em cima), nascido no Zoo Santo Inácio. Num raro tropeço da Natureza resultou este canguru branquinho e tímido, ainda protegido na bolsinha da sua mamã. De referir, que apenas um em cada dez mil exemplares nascem assim, branquinhos.

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

A cobra-rei-da-califórnia (Lampropeltis getula californiae) é uma serpente originária do Oeste do Estados Unidos que se encontra numa variedade de habitats como florestas, desertos, quintas e até áreas suburbanas.

Alimenta-se de roedores e pequenos mamíferos, lagartos outras cobras, ovos de tartaruga, sapos, salamandras, ovos de aves e invertebrados.

É activa durante o dia e quando ameaçada não é agressiva, sendo capaz de se alimentar das serpentes mais venenosas por ser imune ao seu veneno.

No Zoo, é comum ver-se os três indivíduos presentes no reptilário a interagirem entre eles, enroscando-se uns nos outros. São também muito activos durante o dia, trepando as paredes do habitat como que a redescobrir cada canto.

Mais Fotos

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Zoo Santo Inácio

Fotografia: Carlos Gandra

Esta foto-reportagem foi publicada na Edição nº16 da Revista Mundo dos Animais, em Maio de 2010, com o título “Um dia no Zoo Santo Inácio”.

Tópicos: Animais em Zoos, Conservação, Fotos de Animais Selvagens, Animais Selvagens, Fotografia Animal, Artigos em Destaque