Como Adotar um Animal

Como adotar um animal

Fotografia: Brooklyn Bridge Animal Welfare Coalition / Facebook

Existindo em sem número de animais errantes e outros tantos encerrados em associações com o mínimo de condições, torna-se urgente alertar a sociedade para a prática de adopções ou invés de comprar um animal. Não que comprar um animal esteja errado, mas se puder ajudar um, certamente esse animal irá ficar grato para todo o sempre.

No entanto, antes de adoptar existem algumas situações que deve ter em consideração, pois se não tiver possibilidades para as cumprir a todos, o melhor será mesmo não ter nenhum animal. Não vamos tirar um animal de uma associação, se não conseguirmos dar-lhe condições suficientes para o manter feliz.

Cuidados a ter:

Para manter um animal existem cuidados básicos essenciais que custam dinheiro:

  • Alimentação adequada, e não uma ração qualquer é fundamental para o bem-estar e saúde do seu animal. Restos de comida são proibidos e deve evitar dar ração húmida. Uma alimentação equilibrada baseia-se numa ração que gama alta ou média.
  • Brinquedos, camas, trelas, arranhadores, enfim existem objectos essenciais que deve ter, tal como um ser humano não prescinde de uma cama, um animal também não.
  • Idas ao veterinário são fundamentais, não só para vacinação, mas em caso de doença todo o animal merece assistência veterinária.
  • Esterilizar é fundamental. Para que não aja mais animais a vir ao mundo sem terem oportunidade de ter um lar, e no caso das cadelas/gatas para que no futuro não estejam sujeitas a tumores e cancros. Pense que com a esterilização está a combater vários males, o do abandono e excesso de animais errantes e a proteger a saúde do seu animal para que no futuro não tenha nem dissabores, nem despesas desnecessárias.
  • Nas férias certifique-se que tem quem cuide dele, seja amigo ou familiar, ou caso o animal fique num hotel que este cumpra os requisitos necessários para o bem-estar dele.

Necessita também de muita paciência e dedicação, tem que ter algum tempo livre dedicado para ele, seja para brincar, passear, educar ou mimar. Acima de tudo não se esqueça que um animal por mais inteligente que seja não é uma pessoa e está dependente de si, seja para o que for. Também não é um brinquedo, que fique estático, quando já não nos apetece interagir. Irá fazer algumas asneiras principalmente se for bebé, juvenil, e há que estar preparado para isso. Libertam também pêlo principalmente nas mudas, e tal como uma criança há que limpar o que sujam.

Um animal doméstico, cão ou gato, vivem em média 15 anos, por isso é compromisso que deve assumir e manter. Se não se sente capaz de o fazer, o melhor será não adoptar.

Se tem a certeza que é capaz de cumprir tudo o que está escrito em cima, Parabéns!, está apto para adoptar um animal.

Onde e como adoptar um animal:

São os muitos os locais onde pode adoptar um animal. As associações são um bom ponto de partida, assim como canis municipais. Veja aqui uma lista das associações que existem no nosso país e escolha a mais perto da sua residência.

Para adoptar é necessário responder às questões dos voluntários, levar um documento que o identifique e claro preencher uma ficha de adopção e declaração de responsabilidade. Deverá levar uma trela e coleira se adoptar um cão ou uma transportadora se optar pelo um gato. Não se admire se o voluntário lhe perguntar se pode visitar o animal ou pedir que envie fotografias dele. É uma precaução contra eventuais maus-tratos, abandonos ou negligência. Algumas associações pedem uma taxa de adopção, pois os gastos com os animais encarregues são avultados e sejamos realistas, se não tem dinheiro para pagar esta taxa (irrisória na sua maioria dados os gastos normais que se deve ter com um animal), certamente também não terá para o manter.

Acima de tudo lembre-se, o papel do voluntário é ter a certeza que o animal é bem entregue e não divertir-se a massacra-lo com perguntas sem fim. Por isso respeite o seu trabalho.

Alguns mitos comuns no que diz respeito aos animais:

Um animal adulto não pode ser ensinado.

Antes pelo contrário, um animal aprende seja em que idade for. Além do mais, em adulto, a personalidade já se encontra definida, sendo mais fácil encontrar uma animal compatível com a sua idade. Sendo adulto também não faz aquelas asneiras de bebé como roer sapatos ou não conseguir aguentar o chichi.

Adoptei uma cadela/gata. Tem que ser mãe pelo menos uma vez para não ficar doente…

Não, claro que não, uma cadela ou gato por ser mãe não está livre de ter cancro, tumores, o único método que o previne é a esterilização. Além do mais, já não são suficientes os animais que estão na rua ou associações para nascerem ainda mais propositadamente?

Com a esterilização o meu animal perde personalidade.

O seu animal fica exactamente como é, o mesmo gato meigo ou traquina que sempre foi. Com a diferença principal que não se importará com aquela gata lá do sítio, nem anda a marcar território. Esterilizar o seu gato ou cão também não lhe retira a masculinidade nem nada parecido. Um gato ou um cão continuam exactamente iguais… a um gato ou um cão.

Agora que já sabe tudo o que precisa, reflicta bem no passo que vai dar e se tiver certeza de que é capaz de cumprir com tudo o acima descrito, adopte um animal!