Morcegos da Fruta Egípcios: Cuidados e Manutenção

Cuidados e manutenção

Fotografia original: John

Classificação cientifica:

  • Reino: Animalia
  • Filo: Chordata
  • Classe: Mammalia
  • Ordem: Chiroptera
  • Família: Pteropodidae
  • Subfamília: Pteropodinae
  • Género: Rousettus
  • Espécie: Rousettus aegyptiacus

O morcego da fruta egípcio é um dos mais pequenos morcegos da fruta, encontrados com frequência em cativeiro e como animais de estimação exóticos.

Mede cerca de 22,5 centímetros de envergadura com asas abertas e pesa entre 85 a 170 gramas. Os machos são maiores que as fêmeas.

A sua coloração é castanha-cinzentada, com tons mais claros na zona da barriga. O nariz / focinho é longo e pontiagudo. Os olhos são largos e de coloração castanha ou rubi. As orelhas são largas, levantadas e estão em constante movimento.

São animais de hábitos nocturnos e voadores natos. Usam a eco-localização, emitindo sons de estalidos repetitivos e muitas vezes pouco audíveis ao ouvido humanos, para se orientarem e localizarem. São também dotados de um óptimo sentido de olfacto.

Costumam ter uma esperança de vida de cerca de 23 anos quando em cativeiro.

Os morcegos da fruta não estão ameaçados ou em vias de extinção, ao contrário de várias espécies de raposas voadoras. Felizmente existem inúmeras e numerosas populações destes animais. Inclusive, em alguns locais são considerados pragas e chegam a ser envenenados através de pesticidas, bem como capturados nas plantações de frutas.

Comportamento

No seu meio ambiente, os morcegos da fruta egípcios encontram-se em grande parte de África até ao Médio Oriente. São das espécies mais comuns encontradas em monumentos, cavernas, cavidades rochosas e árvores, adaptando-se a qualquer local facilmente.

Podem voar mais de 30 quilómetros numa noite para se alimentarem. A alimentação deles varia consoante as flores e frutas disponíveis.

Em cativeiro são animais calmos e dóceis. Raramente mordem, a não ser quando se sentem encurralados.

Passam a maior parte do dia a dormir e acordam por volta das 9h da noite para procurar alimento. Não são muito dados a interacção, mas com alimentos são facilmente subornáveis.

São óptimos trepadores, inclusive em tecido e nas nossas peças de roupa. Em cativeiro são conhecidos por se aninharem na roupa e até se esconderem no nosso cabelo.

Dieta em cativeiro

A alimentação do morcego da fruta egípcio em cativeiro deve consistir em bananas, melão, maçã, laranja, uvas, figos, peras, ameixas, tomates, papaia, abacate, amoras e verduras.

Poderá também ser dada comida enlatada de pequenos primatas, néctares de fruta como pêssego, pera, de preferência sem açúcares refinados.

Reprodução

O acasalamento destes morcegos acontece em Junho e a gestação dura quatro meses. Os nascimentos ocorrem entre Outubro e Novembro.

As fêmeas transportam as crias inicialmente, passando a deixá-los à medida que crescem. Por volta de Março as crias já conseguem voar.

Normalmente só dão à luz uma única cria, mas também pode ocorrer nascerem gémeos.

As fêmeas atingem a maturidade aos cinco meses, enquanto os machos só chegam à maturidade pelos 15 meses.

Alojamento

Nos zoológicos é habitual criar-se um espaço grande e naturalista, mas eles são facilmente adaptáveis a espaços mais pequenos, desde que sejam escuros e sossegados durante o dia e tenham um espaço suficiente para voarem à noite.

Ficam pendurados de pernas para o ar, por isso precisam de algo onde se possam suster. Poderão ser usados desde ramos a um tecto em gradeamento.

Gaiolas com grades laterais não são recomendadas devido à fragilidade das suas asas e ao risco de poderem enfiar as mesmas entre as grades e as partirem. Este tipo de ferimentos são graves e geralmente nunca saram ao ponto de os morcegos conseguirem voar novamente.

Saúde

Todos os morcegos são listados como potenciais ameaças à saúde, devido à transmissão de doenças como raiva ou outras bactérias de que são portadores. Nenhum morcego selvagem deve ser mantido como animal de estimação.

Há poucos criadores credenciados e referenciados, pelo que a maior parte dos morcegos comercializados são selvagens.

Uma forma de evitar este tipo de doenças é proceder a alguns exames com a ajuda de um veterinário especializado em animais exóticos antes da compra — ou comprar com a ressalva da realização exames, para que possa ser restituído o seu dinheiro de volta caso os exames revelem problemas.

Caso tenha feito a compra do animal, o mesmo deverá ser sempre examinado por um veterinário de exóticos.

Fotos

Morcegos da fruta egípcios

Fotografia: Diana Ranslam

Morcegos da fruta egípcios

Fotografia: Andy Magee

Morcegos da fruta egípcios

Fotografia: Colin Frankland

Morcegos da fruta egípcios

Fotografia: John

Morcegos da fruta egípcios

Fotografia: Sarah Sammis

Este artigo foi originalmente publicado no antigo Fórum Mundo dos Animais, em Fevereiro de 2011, com o título “Morcegos da Fruta Egípcios”.

Tópicos: Morcegos, Animais Exóticos, Mamíferos, Animais de Estimação, Artigos em Destaque