Porquinho da Índia: Como Cuidar

Porquinho da Índia

Fotografia: Wikimedia Commons

Classificação científica:

  • Reino: Animalia
  • Filo: Chordata
  • Classe: Mammalia
  • Ordem: Rodentia
  • Subordem: Hystricomorpha
  • Família: Caviidae
  • Subfamília: Caviinae
  • Género: Cavia
  • Espécie: Cavia porcellus

Nomes comuns: Porquinho da índia, preá, cobaia, rato chino ou ratinho da índia.

O porquinho da índia é um roedor natural da América do Sul.

São animais sociais que, em estado selvagem, vivem em pequenas colónias constituídas por algumas fêmeas, um macho e as suas proles. Em cativeiro, é muito importante que a natureza gregária (animais que vivem em grupos) do porquinho seja respeitada. Assim sendo, os porquinhos devem viver em grupos de dois ou mais animais.

As colónias de porquinhos em cativeiro devem ser constituídas por indivíduos do mesmo sexo para evitar a reprodução exagerada, o que é prejudicial tanto para a saúde da fêmea como para as suas crias.

Alimentação

Os porquinhos da índia são herbívoros e como tal, a sua alimentação deve ser unicamente baseada em vegetais.

Como alimento base deverão ser dados pellets (tipo de ração em forma cilíndrica com um conjunto de vitaminas, minerais e outros nutrientes) ou uma mistura especifica para porquinhos. Deve-se ter cuidado na escolha destes produtos consoante a idade e as necessidades alimentares, devendo-se dar importância ao excesso de gordura e à presença da sempre importante vitamina C.

Evitar rações que sejam indicadas pelo vendedor para diversos tipos de roedores, pois a tentativa de criar rações polivalentes não permite um equilíbrio perfeito para cada uma das espécies em particular.

Frutos e legumes frescos deverão ser dados diariamente, sendo uma fonte de vitamina C essencial. É, também, importante uma dose diária de feno, para o bom funcionamento dos intestinos.

A alfafa deverá ser dada regularmente a fêmeas grávidas e porquinhos em crescimento, devido ao seu elevado valor de cálcio. No entanto deve ser dada a porquinhos adultos apenas como guloseima, esporadicamente.

Alojamento do porquinho

Porquinho da Índia

Fotografia: Wikimedia Commons

A gaiola do porquinho da índia deve ser espaçosa, para permitir ao porquinho correr e saltitar. As gaiolas que melhor ambiente oferecem a estes animais são as de arame com fundo liso. Devem-se evitar superfícies irregulares onde os porquinhos podem prender as patas.

Terrários, aquários e caixas de plástico são desaconselhados pela ventilação deficiente que oferecem, o excesso de humidade causará um sem número de problemas de saúde no seu porquinho. A ventilação fraca contribui para o acumular de gases nocivos provenientes das fezes e da urina, o que poderão levar a problemas de saúde por parte dos porquinhos, nomeadamente infecções respiratórias, podendo, também, causar problemas dérmicos complicados.

A gaiola deve ser decorada de forma a criar um ambiente estimulante (leia esta entrevista a um veterinário especializado em comportamento animal para compreender a importância de os animais terem “algo para fazer”).

Deverão encontrar-se presentes na gaiola bebedouros, comedouros, brinquedos e esconderijos seguros relativamente à ingestão. Devem preferir-se a brinquedos e esconderijos comestíveis. Estes últimos são importantes para proporcionar um local onde o animal se possa sentir em segurança.

Os brinquedos deverão ser de um material que não seja nocivo caso engolido, sendo brinquedos em cartão sem tintas e madeira não tratada um bom exemplo.

O fundo da gaiola deverá ser forrado com um substrato apropriado. O objectivo deste é absorver a urina, evitando que o animal caminhe directamente sobre esta.

A areia para gato deve-se evitar a todo o custo, já que este substrato, para além de ser de fraca absorção, é agressivo para a pele dos animais dado o seu elevado teor calcário. A areia de gato também prejudica o sistema respiratório do porquinho, já que o animal passará a maior parte do tempo com a cabeça encostada ao substrato.

Também se deve evitar usar aparas de madeiras resinosas como o cedro e o pinho não tratado, devido à libertação de gases nocivos para a saúde. Deve-se dar preferência a substratos não agressivos nem tóxicos como o corn cobs.

O porquinho da índia deve ter direito a sair da gaiola para se exercitar com alguma frequência.

Doenças comuns

Sendo o crescimento dos dentes dos porquinhos continuo, é necessário providenciar brinquedos e/ou material para roer, juntamente com comida que permita o desgaste dos dentes.

Poderá ser necessário a intervenção do veterinário no caso do crescimento exagerado dos dentes, já que quando ficam demasiados longos dificultam a alimentação. Há que ter especial atenção aos dentes molares dos porquinhos uma vez que a má oclusão é frequente.

O organismo do porquinho não produz vitamina C, pelo que esta tem de ser fornecida através da alimentação. Para além de uma alimentação rica em Vitamina C, é importante a administração de suplementos de Vitamina C. Ao administrar devem-se respeitar as dosagens e indicações da embalagem e evitar as hipervitaminoses, pois se o porquinho tiver uma alimentação equilibrada, o complemento torna-se desnecessário.

A quantidade de vitamina C diária ingerida deverá situar-se entre os 10 e os 30 mg por cada quilo de comida.

A falta de vitamina C no organismo do porquinho poderá levar a problemas de saúde ou em casos mais drásticos, à morte do animal. A deficiência de vitamina C poderá conduzir aos seguintes sintomas: letargia, fraqueza, falta de vontade de se movimentar; articulações inchadas ou rígidas, movimentar-se saltando em vez de caminhar; falta de apetite, perda de peso; diarreia; muco de olhos e focinho; pelagem áspera; hemorragia interna.

É conveniente ter-se atenção a qualquer alteração comportamental e/ou física do animal, já que pode ser sinal de doença. Se tal suceder é recomendável levá-lo logo a um veterinário com preparação para animais de estimação exóticos.

Outros cuidados a ter com o porquinho

Porquinho da Índia

Fotografia: Wikimedia Commons

Unhas

As unhas dos porquinhos da índia crescem constantemente. Vivendo em cativeiro, o animal poderá não ter onde e como gastar as unhas, pelo que estas poderão necessitar de ser aparadas com alguma frequência.

É necessário ter em atenção que ao cortar demasiado, o dono arrisca-se a apanhar a veia que faz a distribuição sanguínea. Esta cresce juntamente com a unha, tornando-se mais difícil cortar sem provocar hemorragia, quanto mais comprido estiver a unha. Poderá ser, por isso, recomendável cortar mensalmente as unhas dos seus porquinhos.

Quando a unha já tem algum comprimento, aparar a ponta desta uma ou duas vezes por semana, levará a que a veia retroceda, permitindo, eventualmente manter as unhas a um comprimento saudável. Pode também pedir ao seu veterinário para as cortar, caso não se sinta confortável ou seguro com este procedimento.

Banho

O porquinho da índia não deve tomar banho, excepto quando estritamente necessário.

Se, todavia, o banho for mesmo necessário, é importante que seja usado um champô próprio para animais de pequeno porte para evitar a secagem da pele. Não deve entrar água nos ouvidos, sendo um risco acrescido de otites.

O banho deverá ser dado num local aquecido e sem correntes de ar para evitar que o porquinho apanhe frio. A água deverá ser morna. Seque bem o porquinho após o banho e evite as mudanças bruscas de temperatura.

Escovagem

A escovagem é importante para remover pêlo solto e, no caso dos porquinhos de pelo comprido, evitar o pelo embaraçado. Estes poderão necessitar de ser escovados diariamente.

A escovagem de porquinhos com pêlo curto, embora deva ser regular, não necessita ser diária.

Orelhas

É recomendado o exame e a limpeza regular das orelhas. A limpeza deverá ser feita com um produto próprio. Limpe apenas a orelha e não o ouvido.

Procriação

Porquinho da Índia bebé

Porquinho da Índia bebé
Fotografia: Patrick Haney

As fêmeas podem começar a procriar a partir das quatro semanas de idade, aproximadamente, enquanto que os machos estão sexualmente maduros a partir da terceira semana de idade. O cio tem uma duração de 15 a 17 dias. Durante o cio, uma mucosa existente no canal vaginal da fêmea dissolve-se, permitindo a cópula pelo macho. Isto acontece cada a 10 a 21 dias.

A gravidez e o parto poderão trazer graves complicações para as fêmeas, pelo que não é aconselhável deixar que os porquinhos procriem se não tiver o conhecimento necessário para lidar com uma crise – em caso de morte de fetos, morte de crias, anóxia, envenenamento, criação de crias à mão ou necessidade de cesariana. É extremamente importante que o dono tenha um veterinário preparado para qualquer emergência.

Fêmeas e machos não devem viver juntos para evitar gravidezes consecutivas. A fêmea entrará no cio nos quatro dias após um parto, pelo que nenhum macho se deverá encontrar presente durante a ocorrência deste.

As ninhadas são, geralmente, compostas por duas a cinco crias e o seu desmame acontece entre os 15 e os 21 dias de idade. Nas ninhadas, os machos deverão ser separadas da mãe e resto da ninhada nunca depois das três semanas de idade.

Domesticar um porquinho

Ao adquirir um porquinho da índia, deverá passar algum tempo com ele para lhe dar a hipótese de o conhecer. Mas antes de tudo, deixe-o passar algum tempo sozinho para se habituar à nova gaiola, aos cheiros e sons desconhecidos da sua nova casa.

Uma forma de ganhar a confiança do seu porquinho é oferecendo-lhe porções de legumes e fruta, o que o vai ensinar a associar o dono a algo positivo.

Relacionado: Animais de estimação exóticos para iniciantes

Este artigo foi publicado na Revista nº 13 do Mundo dos Animais, em Novembro de 2009, com o título “Porquinhos da Índia”.

Tópicos: Roedores, Animais Exóticos, Mamíferos, Animais de Estimação, Artigos em Destaque