Natal Vegetariano: Opções e Tradições Familiares

Natal vegetariano

Ao contrário do que muitos pensam, quando somos vegetarianos, não viramos costas às nossas tradições.

Por vezes temos de as adaptar um pouco, reinventá-las talvez, mas sentimo-las da mesma forma. Aliás, tradição é assim mesmo. Renovação acima de tudo. Ai de nós se assim não fosse. Veríamos ainda hoje as nossas crianças, divertidas, com as lutas de galos nos recreios das escolas, ou a curar maleitas com papas de linhaça e a enrijecer com óleo de fígado de bacalhau e sopas de cavalo cansado.

O Natal é certamente uma data que pode ser problemática, quando somos os únicos vegetarianos na família e vamos estar em frente a uma mesa onde os pratos vegetarianos serão uma raridade, ou mesmo inexistentes.

Quando me tornei vegetariana, os Natais eram passados em casa da minha avó, numa aldeia de Vinhais, terra transmontana conhecida pelas castanhas e pelos enchidos.

Nessa altura, fazia um prato vegetariano de ir ao forno que levava para casa da minha avó. Perto da hora da ceia, terminava a sua confeção sem interferir com o frenesim que ocorria na cozinha e servia o prato à mesma hora. Na hora da refeição, todos provavam o meu prato e conseguia assim partilhar com toda a família um pouco do meu estilo de vida.

Gisela ParafitaEm 2009 casei-me e, desde então, o Natal é passado com um grupo mais pequeno, entre pais, irmãos, sogra, marido e, agora, com o pequeno César de 18 meses.

Com três vegetarianos (eu, o marido e o filhote) e restantes simpatizantes, o Natal vegetariano acabou assumindo maiores proporções.

O prato principal é vegetariano, o bacalhau desapareceu e apenas o polvo e a raia se mantêm em pequena escala. Na ceia come-se a soja à Zé do Pipo ou Alho Francês à Gomes de Sá, os bolinhos de Alho Francês que substituem os Bolinhos de Bacalhau na perfeição, uma salada de Grão de Bico, a Couve Portuguesa e a Raba cozidas. No dia de Natal, comemos um Assado de Seitan ou de Soja com a tradicional roupa velha, mas sem bacalhau.

E assim se vive o Natal cá por casa, com muito amor e abertura, aceitando-nos como somos. Um verdadeiro momento de partilha!

Tópicos: Natal com Animais, Opinião