A Princesinha Sininha

Esta história foi escrita por Filipa Duarte e fez parte do concurso “O que já fizeste por um animal?” que terminou no dia 18/11/2011. Clique aqui para ver todas as histórias.

Aqui há dois anos estava com a ideia de adoptar um gatinho,via principalmente anúncios para adopção no fórum do Mundo dos Animais e eventualmente vi um gatinho chamado Sininho, que desejei por bastantes vezes tê-lo. Sempre me negaram a vinda de um novo amiguinho cá para casa.

Um dia, estava eu em casa no computador e a Tuxa (a minha cadela) começa a ladrar, mas por baixo dos seus latidos ouvia uma menina a miar,era um miar tão desprotegido…

Decidi ir a varanda ver se via alguma coisa, e assim foi, vi uma gatinha branquinha muito pequenina.

Para não a assustar, fui devagar lá baixo para ver se a via, mas ela já se tinha escondido, perguntei a um vizinho se a tinha visto e ele disse-me “está ai nesse pneu do carro”. Com muita calma aproximei-me pois estava com um pouco de receio e nada me aconteceu, nem me bufou. Achei incrível, tinha sido a primeira gatinha a não se proteger, senti-me feliz pois parecia que tinha percebido que a ia salvar.

Sininha

Peguei nela, embrulhei-a nos meus braços e levei-a para casa, com a alegria enviei uma fotografia para uma amiga da minha mãe que é apaixonada por animais. Ela achou fantástico e apoiou-me incondicionalmente, baptizando a como sua madrinha, e perguntou-me qual seria o nome da mesma e eu sem qualquer duvida disse “Sininha” isto porque o gatinho anterior que eu queria chamava-se Sininho :)

Feliz da minha vida, mostrei a gatinha a minha família, mas todos reagiram mal, ninguém queria a gatinha em casa, mas a madrinha da pequenina sempre me disse que eu iria conseguir ficar com ela.

Durante dois meses, a Sininha viveu na minha garagem, todos os dias, mais que uma vez ao dia, ia lá brincar com ela, dar-lhe de comer, adormecê-la… E sempre que podia trazia-a para minha casa para habituá-la com a minha cadelinha.

Por momentos pensei em dá-la para adopção, em frente ao computador lavada em lágrimas a colocar o anuncio, e a minha mãe vem ter comigo e pede me para não o fazer, pois íamos conseguir ficar com ela.

E assim foi, os meus pais foram de ferias e não quiseram que eu fosse à garagem tomar conta da gata, permitindo que ela viesse para cima, e perceberam realmente que ela era uma gatinha amável e essencialmente brincalhona.

Hoje , digo que estou super feliz, pois toda a gente gosta dela cá em casa, com esta adopção consegui que mais pessoas da minha família adoptassem também um gatinho, consegui que a Tuxa se desse bem com a Sininha , consegui esterilizar a minha pequenina e acima de tudo consegui que ela fosse feliz neste lar.


Leia todas as histórias na edição especial da revista.

Revista Especial Gratuita