Eu e Igua, o Iguana

Esta história foi escrita por Thereza Cupper e fez parte do concurso “O que já fizeste por um animal?” que terminou no dia 18/11/2011. Clique aqui para ver todas as histórias.

Era quase meio dia quando escutei barulho na rua, sai para ver o que era e me deparei com uns meninos de 11 anos mais ou menos, perseguindo com pedras e pedaços de pau, um iguana.

Gritei com eles e o Igua entrou correndo na garagem.

Igua

Olhava para ele, ele olhava para mim. Ficamos assim, até que a vontade de ajudá-lo foi maior que o meu medo. Dei a ele um chá da floresta e apliquei Reiki. Ele ficou quietinho, como se soubesse que eu queria ajudá-lo.

Verifiquei que ele estava com um olho muito machucado. Lavei com água boricada e mais tarde arrumei um cantinho no banheiro e ali ele ficou. Fui na Internet e fiz uma pesquisa para ver o que tipo de alimentos ele comia.

Mas aos poucos ele foi melhorando. Porém perdeu a visão no lado direito. Ele então dependia de ajuda para se alimentar.

Colocava ele para tomar sol. Quando melhorou mais ele não demonstrou vontade de ir embora.

Conversei com técnicos de um órgão ambiental e eles acharam que era conveniente ele ficar por ali, pois estava se adaptando e com a perda da visão ali ele corria menos perigo.

Levei ele a um veterinário, mas ele não entendia de iguanas.

Comecei a estudar por conta própria. Pois bem, ele até viajou comigo nas férias. E, se transformou num amigão silencioso. Quando chamava Igua, ele atendia olhando para o lado. Uma vez ele foi numa veterinária especialista e ela queria muito ficar com ele.

Bem, ele ficou comigo oito anos. E, partiu agora em outubro.

Quando pressenti que estava chegando a hora, pus ele no meu colo, encostado ao meu coração e eu sentia o coraçãozinho dele bater. Entramos em sintonia e ele se despediu de mim assim.

Enterrei ele de modo que ele ficou de comprido no canteiro. Plantei ali uma muda de bananeira e outras frutíferas. Hoje acendi uma vela e conversei mentalmente com ele.

Ele, Igua, me ensinou que podemos desenvolver afeto com qualquer tipo de animal. E, me tornei uma pessoa melhor.

Sinto saudades dele. Mas me conformo porque sei que morrer faz parte do ciclo evolutivo.


Leia todas as histórias na edição especial da revista.

Revista Especial Gratuita

Mais em "O que já fizeste por um animal?":