Só Pensei em Salvá-lo

Esta história foi escrita por Diana Ortuño e fez parte do concurso “O que já fizeste por um animal?” que terminou no dia 18/11/2011. Clique aqui para ver todas as histórias.

Bobby AlejandroUma vez há 10 anos atrás, encontrei um cão pequeno na EN 125 no Algarve. Eu estudava ainda na escola pelo que não tinha dinheiro para ficar com um cão. Pensei que a única maneira de estar com ele, era dividir tudo com ele, cada grão de comida que eu tinha a metade era para ele (os meus pais nunca foram grandes amantes dos animais).

Desde o primeiro momento nos adoramos um ao outro, eu fazia tudo, tudo por ele e ele por mim. Foi meu companheiro desde meus 15 anos até agora, porque morreu há três meses atrás, e ainda estou de rastos!

Esta historia é para ele, para homenagear o cão mais leal que existiu na minha vida.

Eu tinha-me mudado de casa, onde já se encontrava um pastor alemão, não muito sociável, claro nós não o íamos deitar a rua decidimos ficar com ele. Acontece que meu bebé, o Bobby Alejandro, não gostava do cão! Um dia o meu irmão, por acidente, deixou a porta que vai para o jardim onde se encontrava o pastor alemão (Sultan). Como era de esperar meu cão foi ter com o Sultan, o cão agarrou-o e não o queria soltar, pegando pelo pescoço sem o deixar respirar. Eu, no desespero de o tirar dali, não me importei, acho que nem pensei o que me poderia acontecer a mim, o que me importava era tirar o meu amigo da boca do Sultan. Então atirei-me ao chão, meti as mãos e parte dos braços na boca do pastor alemão para evitar que partisse o pescoço ao meu Bobby. Sentia o cão a triturar os meus pulsos, mas não conseguia sair dali e deixar meu cão morrer, não conseguia!

Fiquei por volta de vinte minutos presa ao Sultan para salvar o Bobby, até que meu pai teve a ideia de deitar água para cima do pastor alemão e foi então que o soltou. Eu peguei imediatamente no meu lindo e corri para a porta, quando o pastor alemão furioso quase me mordeu uma perna.

Levei-o para o meu quarto; o Bobby esteve em estado de choque durante dias, eu não dormia ficava todos os dias à noite deitada no chão do meu quarto com ele, lembro-me do olhar dele para mim, graças a Deus correu tudo bem.

Mas o pesadelo ainda não tinha acabado, porque dias depois o meu lindo não sei porquê, fugiu, os meus pais tinham deixado o portão aberto mas eu dei logo falta dele, pois estávamos sempre juntos, foi só uma questão de minutos. E fui à sua procura, o vi!… e corri para ele como nunca tinha corrido na minha vida, corri e corri; eu tenho problemas de respiração e quando faço muito exercício físico começa-me a doer muito peito, mas não me importei eu pensava nele e só nele.

Ate que ele parou e eu finalmente cheguei a ele, nem sei quantos quilómetros corri, chegando a casa praticamente sem respiração. Depois disto tudo nunca mais nos separamos, até o dia da sua morte (09/08/2011).

Esteve a meu lado 10 anos, foi, é e será sempre o meu companheiro, o meu melhor amigo, quando estava triste, ele sabia!… e não me arrependo de nada, voltaria a fazer tudo o que fiz por ele, pois não me custou nada, quando amamos de verdade não há dor ou cansaço que nos faça desistir para ajudar a este ser que amamos com todo nosso coração.

Para mim o melhor do mundo são os animais, são o mais puro que temos neste planeta, eles precisam de nós, são seres que não tem voz, e nós amantes dos animais temos o dever de lhes dar a voz que eles tanto precisam!

Esta é a história do meu lindo como eu o chamava. Não sei se há pessoas que tenham feito muito mais por um animal, pois também não interessa, o que importa é ajudar sempre, eu só quero homenagear o meu lindo que tudo merece!

Obrigada pela oportunidade de contar a historia do meu grande amigo Bobby Alejandro.


Leia todas as histórias na edição especial da revista.

Revista Especial Gratuita

Mais em "O que já fizeste por um animal?":