Últimos Dias da Fany

Esta história foi escrita por Olga Dias e fez parte do concurso “O que já fizeste por um animal?” que terminou no dia 18/11/2011. Clique aqui para ver todas as histórias.

Julho de 1991

Fany, uma cadelinha de raça Pinscher, ainda não tinha um ano, lindíssima, cor de fogo, rabito cortado, muito magra e cheia de medo de tudo e de todos. Assim chegava ela a minha vida um ano depois de eu me casar.

Uma coisinha tão pequenina, e com um olhar tão triste, que era impossível não gostar dela. Tinha mesmo aquela expressão que se diz “cara de cachorrinho abandonado”.

Os primeiros dias, semanas e meses da nossa convivência foram muito complicados, ela não comia, não dava mão, assim que se olhava para ela, tremia toda, enfim uma pena ver um animal assim.

Aos poucos e poucos, lá fui conseguindo que ela me aceitasse, dava-lhe de comer à colher, de hora a hora e dava-lhe água com uma seringa. A medida que o tempo foi passando ela começou a comer sozinha, ela comia e eu sentava-me ao lado e falava com ela, fazia-lhe festinhas e assim foram passando os dias, as semanas e até os meses. Até que ela começou a vir ao meu encontro por ela mesma, sem que eu a chamasse.

Ao fim de quase um ano ela já era outra cadela, cheia de vida, saltava e corria para todo o lado e até já ladrava, mas também era má para todas as crianças!

Ela não gostava de crianças porquê?? Eu nem tinha filhos ainda, e em casa não havia crianças! Mas tudo tem o seu porquê. Então vim a saber que antes de ela vir para mim, tinha sido oferecida logo desde bebezinha a duas meninas tão bebés quanto a Fany e fizeram dela tudo e mais qualquer coisa, dai a aversão dela para as crianças…

Os anos foram passando e Fany cada vez foi ficando mais possessiva em relação a mim, onde eu ia, ela ia, se alguém se aproximasse de mim ela ladrava mas nunca mordeu a ninguém, eram mesmo só ameaças e as pessoas até lhe achavam graça por ela ser assim tão pequenina e tão refilona, parecia a minha sombra, era uma cadela mesmo muito especial e muito mimada por mim.

Em 1996 nasce o meu filhote, com um pouco de receio e sem saber como seria a reacção de Fany ao levar o pequenino para casa, la fui eu e assim que cheguei fiz as apresentações, ela no inicio cheirou meio desconfiada e depois de alguns dias de contacto entre os dois, sempre comigo a ver como ela iria reagir, dou por mim espantada, por a reacção dela para com o meu filho ser como se fosse eu, devia de ser o cheiro do bebe ou ela saber que ele agora também iria fazer parte da família, algum tempo dei por ela a guardar o meu filho. Ela tinha-se tornado “mãe” dele, não o deixava nem por um segundo e ai de quem se tentasse aproximar dele, foi muito agradável ver os dois crescerem juntos, apesar de ela já ter 6 anos quando ele nasceu.

Fany

Eles eram inseparáveis.

Ano de 2003, últimos dias de Fany.

Já contava com 13 anos. Os últimos dias de vida dela foram de muito sofrimento tanto para ela como para mim, já para não falar no meu filho que com apenas 7 anos, não queria ficar sem ela.

A Fany ficou muito doente, devido a um problema de rins. Eu tirei 1 semana de férias para poder estar com ela nos seus últimos dias de vida, acabou por falecer nos meus braços.

Não consigo descrever mais estes últimos dias sem que comece a chorar. Um abraço Fany ainda hoje temos muitas mas mesmo muitas saudades tuas.


Leia todas as histórias na edição especial da revista.

Revista Especial Gratuita

Mais em "O que já fizeste por um animal?":