Criação de Alimento Para Dragão Barbudo

Criação de alimento para dragão barbudo

Fotografia original: gravity_grave

No seguimento do Guia do Dragão Barbudo, este artigo pretende explicar como fazer a criação de alimento vivo para os dragões, mais especificamente a criação de tenébrio, grilos silenciosos e barata argentina.

Criação de larvas de tenébrio

Tenebrio molitor

Tenebrio molitor
Fotografia: Wikimedia Commons

O tenébrio (Tenebrio molitor) é muito utilizado para alimentação de répteis. Pertence à família dos coleópteros, e é especialmente rico em proteínas e fósforo.

Para criar larvas de tenébrio, devemos colocar algumas larvas (por exemplo 250 gramas ou mais) numa caixa de plástico liso. Como substrato podemos utilizar farelo de trigo, por exemplo, que alem de servir como substrato alimenta o tenébrio. Podemos dar também pão.

Estas larvas não voam, não conseguem trepar paredes lisas, não mordem e reproduzem-se bem a uma temperatura entre os 26 e os 32 ºC.

As larvas de tenébrio mudam de pele de cinco a sete vezes durante um período de 60 dias. Depois transformam-se em pupas e a metamorfose de pupas para escaravelho leva três semanas.

Depois, os escaravelhos desovam cerca de 500 a 1.000 ovos durante um período de 30 a 60 dias. Em seguida os escaravelhos morrem e devemos então esperar duas semanas para poder ver muitas e pequenas larvas na nossa caixa de criação.

Criação de grilos silenciosos

Gryllus assimilis

Gryllus assimilis
Fotografia: Wikimedia Commons

Para começar a criar grilos silenciosos (Gryllus assimilis) precisamos de uma caixa que servirá de caixa de procriação.

Características da caixa

  • Dimensões: 50 x 40 x 40 (em centímetros)
  • Substrato: papel de cozinha
  • Temperatura: entre 24 a 32 ºC

Procedimento

  • Colocar 40 grilos adultos dentro desta caixa (10 machos e 30 fêmeas);
  • Ter sempre atenção à comida. Não deve faltar comida aos grilos, pois estes são canibais e com a falta de comida, a solução poderá ser sempre comer o vizinho mais próximo;
  • Colocar a comida por cima das caixas de ovos, nunca no chão;
  • A comida pode variar entre batata, couve, cenoura, e muitos outros vegetais;
  • Metade do volume da caixa deve ser ocupada por caixas de ovos empilhadas entre si para proporcionar esconderijos aos grilos;
  • A caixa deve ter respiração por cima (cubra uma parte do topo com rede mosquita).

Por fim devemos colocar uma placa de esponja floral no chão da caixa e borrifa-la até esta ficar húmida.

É nesta placa de esponja floral húmida que as fêmeas vão ter tendência a desovar, por isso deve ser borrifada com água todos os dias – nunca deixe que esta fique seca.

Ao fim de alguns dias, já devem ser visíveis pequenos buracos na esponja. Estes buracos são da medida do canal de desova da fêmea.

Quando vir que a esponja já está bastante furada, deve retira-la e substitui-la. A esponja deve então permanecer à volta de duas semanas na caixa.

Coloque uma rede por cima da esponja para evitar que os grilos escavem túneis. Podemos ver os pequenos buracos que as fêmeas fazem para por os ovos – os buracos maiores são canais que os grilos fazem para eles próprios se esconderem.

Esta esponja que retiramos da caixa, ao fim de duas semanas, contém então os ovos. Devemos colocar a esponja numa caixa à parte (uma caixa que não permita a entrada de insectos que possam comer os ovos ou mesmos os micro-grilos).

Depois basta esperar que os ovos ecludam. Nunca esquecer que mesmo esta esponja deve ser borrifada todos os dias, garantindo que esteja sempre húmida.

Ao fim de três semanas devemos encontrar alguns micro-grilos no fundo da pequena caixa onde guardamos as esponjas florais.

Criação de barata argentina

Blaptica dubia

Blaptica dubia
Fotografia: Wikimedia Commons

As baratas argentinas (Blaptica dubia) podem ser um bom alimento para utilizar como base de alimentação do seu dragão barbudo.

Esta espécie não consegue trepar, não morde, não faz barulho, nem cheira mal, e a manutenção é mais fácil do que os grilos.

Para começar a criar baratas precisamos de uma caixa que servirá de caixa de criação.

Características da caixa

  • Dimensões: 50 x 40 x 40 (em centímetros)
  • Substrato: nenhum
  • Temperatura: deve rondar os 28 e os 30 ºC

Procedimento

  • Metade do volume da caixa é ocupada por caixas de ovos empilhadas entre si para proporcionar esconderijos às baratas;
  • A caixa deve ter respiração por cima, (cubra uma parte do topo com rede mosquita, não muito para que não se perca humidade);
  • Pano sempre húmido na caixa, para que crie um ambiente húmido;
  • Colocar 200 baratas adultas dentro desta caixa;
  • Ter sempre em atenção à agua e comida, nunca deve faltar água às baratas, estas podem-se tornar canibais nesta circunstância;
  • A comida deve ser colocada por cima das caixas de ovos, e nunca no chão;
  • Esta comida pode variar entre comida para gato ou cão, batata, couve, cenoura, pêra, maçã, entre outros.
  • Esperar umas semanas até que a colónia dê frutos.

Leia mais sobre dragões no Guia do Dragão Barbudo.

Em colaboração com João Miguel Angélico e José Pedro Mateus.

Este artigo foi publicado na Edição nº9 da Revista Mundo dos Animais, em Dezembro de 2008, com o título “Guia do Dragão Barbudo (cont)”.

Tópicos: Lagartos, Répteis, Animais Exóticos, Animais de Estimação, Artigos em Destaque