Metabolic Bone Disease (MBD) em Répteis

Dragões barbudos

Fotografia: Jorunn D. Newth

A MBD (sigla para Metabolic Bone Disease) é o nome dado a um conjunto de sintomas e problemas de saúde observados em alguns répteis.

As causas podem ser provenientes de vários factores, na maioria deles ligados à má manutenção do animal.

Causas e prevenção

A MBD é uma deficiência causada pela pouca ou nenhuma assimilação de cálcio pelo organismo do animal.

Existem doenças que a podem causar naturalmente, mas as causas principais do aparecimento da doença nos animais são a falta de cálcio na dieta, a pouca exposição do animal aos raios UVB e temperaturas inadequadas.

O cálcio é um nutriente muito importante para a sobrevivência do animal. Em conjunto com outras coisas, o cálcio é usado não só para construir e fortalecer os ossos do animal, como também interpreta um papel importante no seu sistema nervoso central.

Num animal saudável, o cálcio está em balanço com o todo o corpo, ou seja, não existe em excesso nem em falta. Ele interage com outros nutrientes importantes, como a vitamina D3 e o fósforo e é regulado através das suas hormonas.

Como foi dito anteriormente, uma das causas do aparecimento da MBD é a falta de cálcio na dieta do animal. Se queremos ter um animal (quase) 100% saudável, a sua dieta deve sempre conter uma relação 2:0 de cálcio / fósforo em répteis herbívoros; e de 2:1 em répteis carnívoros.

Isto não quer dizer que todas as refeições devam estar suplementadas com cálcio. Deve-se consultar o método de utilização na embalagem de cada produto e caso seja necessário, consultar um veterinário.

Se existir falta de cálcio na dieta, o organismo do animal vai simplesmente buscar o cálcio de que necessita para o funcionamento normal a outra fonte: os ossos. E é por isso que a MBD aparece.

A luz UVB também interpreta um papel importante na saúde do animal, pois ajuda a prevenir o aparecimento da MBD.

Tal como a nós, a exposição a estes raios faz com que a pele do animal produza vitamina D3. Esta vitamina, entre outras coisas, tem a importante função de regular a maneira de como o corpo vai absorver e usar o cálcio assimilado na alimentação.

Sem exposição a estes raios, a pele do animal simplesmente deixa de produzir vitamina D3. E sem esta vitamina, o organismo não consegue absorver ou até mesmo usar de maneira eficiente o cálcio.

Quanto à temperatura, devemos ter sempre a certeza que providenciamos as temperaturas correctas que o animal necessita. Sendo os répteis animais de sangue frio, eles necessitam do calor vindo dos meios que os rodeiam para poderem fazer uma assimilação correcta dos nutrientes que ingerem, durante a sua digestão.

Ainda existe outra razão, que pessoalmente classifico como “aparecimento natural da MBD”: a procriação.

Este problema afecta apenas as fêmeas. Pegando no exemplo das iguanas (que é mais a minha área), mesmo não tendo sido fecundadas, o organismo produz ovos nos seus ovários. O corpo vai buscar o cálcio que necessita para a sua produção directamente aos ossos delas e por esse motivo ficam muito susceptivas ao aparecimento da MBD.

Por isso, tanto antes da postura, como depois da mesma, o proprietário do animal deve estar sempre atento a sinais do aparecimento da doença.

Sintomas mais comuns

Os sintomas da metabolic bone disease podem manifestar-se de várias formas:

  • Ossos que se partem facilmente com acções simples, como correr, saltar ou a escalar um obstáculo;
  • Patas inchadas, que mais se parecem com os braços do “Popeye”. Isto acontece porque, devido ao enfraquecimento dos ossos, o corpo produz mais fibras para as zonas que fazem mais esforço, resultando num inchaço da zona lesionada;
  • Deformações nos ossos e articulações;
  • Maxilar inferior mole, como se fosse de borracha. Tal como os outros membros, o maxilar inferior tende a inchar devido às razões descritas anteriormente. Parecem-se com abcessos. Devido ao inchaço, comer torna-se difícil e doloroso, fazendo com que o animal perca o apetite. Em casos mais avançados, o maxilar inferior tende a diminuir de tamanho em relação ao superior, não acompanhado o seu crescimento. Isto faz com que as gengivas do animal fiquem expostas, trazendo o risco de infecções e outros problemas relacionados;
  • Dificuldades motoras. Se a MBD afectar o sistema nervoso, os membros podem tornar-se mais fracos. Nos casos mais graves pode dar-se mesmo uma paralisia total. Isto normalmente acontece nos membros traseiros e nas caudas dos animais, o que faz com que o animal só possa usar os membros posteriores, ficando assim sem possibilidades de trepar;
  • Sinais de doença, letargia, enfraquecimento e falta de apetite.

Tratamentos

No que diz respeito a tratamentos, a MBD pode ser revertida se for detectada bastante cedo. Existem várias maneiras de tratá-la, mediante o estado avançado ou não da doença.

Antes de se iniciar qualquer tratamento, deve-se consultar sempre primeiro o veterinário do animal.

A falta de cálcio pode ser revertida através de injecções de cálcio dadas pelo próprio veterinário. Exercícios de fisioterapia poderão voltar a dar força aos músculos fracos e as paralisias parciais podem ser revertidas através de exercícios.

Infelizmente há outras coisas que são irreversíveis, como as deformidades ósseas. Actividades como trepar e alguns movimentos que um animal normalmente faria deixarão de ser possíveis. Poderá ter dores constantes e também dificuldades a defecar.

As fêmeas podem nunca mais pôr ovos devido a colunas tortas, pelo que podem ter de ser esterilizadas.

Este artigo foi originalmente publicado na Edição nº 13 da Revista Mundo dos Animais, em Novembro de 2009, com o título “Metabolic Bone Disease”.

Atenção: Este artigo é meramente informativo e não substitui a consulta no médico veterinário. O(A) autor(a) e o Mundo dos Animais não se responsabilizam pela utilização indevida destas informações.

Tópicos: Répteis, Saúde Animal, Animais Exóticos, Animais de Estimação, Artigos em Destaque